Os prefeitos das cidades acreanas de Brasileia e Epitaciolândia e o prefeito de Cobija, na Bolívia, se reuniram nesta quinta-feira (10) para decidir sobre a reabertura gradual da fronteira a partir de sexta (11). A fronteira entre os países está fechada desde março por conta da pandemia do novo coronavírus.

O governo federal publicou uma portaria que proíbe a entrada de imigrantes e o Brasil fechou as fronteiras terrestres com países da América do Sul.

Para reabrir a fronteira, os prefeitos Tião Flores, de Epitaciolância, prefeita Fernanda Hassem, de Brasileia, e prefeito de Cobija, Luiz Gatty, se baseiam em um parágrafo da portaria que autoriza o tráfego de moradores transfronteiriços entre cidades gêmeas, como é o caso de Brasileia, Epitaciolândia e Cobija.

Após mais de quatro horas de reunião, os gestores decidiram pela reabertura, com restrição, e a implementação de uma barreira sanitária para controle da circulação dos moradores. Foi assinado um termo de liberação entre os gestores. Pessoas de outras cidades acreanas e da Bolívia continuam com o tráfego restrito entre os países.

“Vamos implantar do lado do Brasil uma barreira sanitária compartilhada com o município de Brasileia, ou seja, nossos técnicos da vigilância ficarão na ponte, que ficará fechada do lado de Brasileia, para que a gente possa ter um controle maior das pessoas que vão transitar no território brasileiro”, destacou o prefeito Tião Flores.

Os moradores vão ter acesso apenas à Ponte da Amizade, que liga a cidade de Epitaciolância ao Acre. A Ponte Wilson Pinheiro – de Brasileia a Cobjia – segue fechada. A cidade de Cobija segue com o acesso restrito até às 20h (horário da Bolívia).

“Há uma portaria do governo federal que trata das normativas para cidades gêmeas fronteiriças. Foi acordado de que forma, que é competência dos municípios, poderemos trabalhar com as questões sanitárias. Questões de outras ordens são de competência do governo federal, mas sanitárias são nossas porque estamos ainda em uma pandemia”, frisou a prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem.

O horário de circulação de bolivianos nas duas cidades acreanas vai ser restrito, das 7h às 18h, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, domingos e feriados das 7h às 14h. Do G1 Acre