Frederick Wassef foi citado na delação do ex-presidente da Fecomércio Orlando Diniz (Foto: Reprodução)

Brasil 247 – A operação da Polícia Federal deflagrada no início da manhã desta quarta-feira (9) contra escritórios de advocacia tem o advogado Frederick Wassef como um dos alvos. Agentes da PF estão realizado buscas em endereços ligados a Wassef, que já foi advogado da família Bolsonaro e escondeu o ex-assessor da família Fabrício Queiroz. 

Os mandados foram expedidos pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, e também miram os escritórios da mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, de Tiago Cedraz e de Cesar Asfor Rocha, além do de Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Segundo a denúncia, os escritórios e outras empresas são investigados por desvios de cerca de R$ 355 milhões do Serviço Social do Comércio (Sesc RJ), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac RJ) e da Federação do Comércio (Fecomércio/RJ) que teriam acontecido entre 2012 e 2018.

Wassef foi citado na delação do ex-presidente da Fecomércio Orlando Diniz. Em julho deste ano, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou que o escritório de Wassef teria recebido R$ 2, 6 milhões da Nagib Eluf Sociedade de Advogados. 

Segundo reportagem do jornal  O Globo, o escritório apurou que o escritório foi contratado por Orlando  que em seguida teria subcontratado Wassef para supostamente atender casos de falsificação de documentos.