Professores da escola Nova Vida, no interior do Projeto de Assentamento Espinhara: planejamento das atividades para entregar aos estudantes da região – Foto: Mardilson Gomes

Assessoria – Protegidos por um ventilador de mesa do calor escaldante do verão, na sala dos mestres o professor Darlan do Nascimento Silva, 40 anos, planeja o conteúdo de História para o 1º ano do ensino médio com o tema: história, cultura e patrimônio. Ao seu lado, a colega docente de Física, Sabrita Cruz da Silva, de 24 anos, também insere na tela do computador tópicos de biologia e teorias evolutivas.

Depois de pronto e revisado pela coordenadora pedagógica, o material será impresso e entregue aos estudantes na própria escola. Nas mãos dos jovens, os textos, com explicações e exercícios detalhados, levarão 15 dias para ser assimilados e devolvidos pelos alunos.

Mauro Sérgio, ao centro, com diretores da Educação do Bujari e professores rurais da região do projeto de Assentamento Espinhara; Escola Nova Vida passou por uma reforma – Foto: Mardilson Gomes

Em tempo de pandemia do novo coronavírus, essa é a nova rotina de estudos na escola rural Nova Vida, encravada no meio da floresta, dentro do Projeto de Assentamento Espinhara, a 14 quilômetros do município do Bujari (município localizado a 24,1 quilômetros de Rio Branco).

Nesta quinta-feira, 3, a escola foi uma das três visitadas por uma equipe de técnicos liderada pelo secretário de Estado de Educação, Cultura e Esportes, Mauro Sérgio Ferreira da Cruz, cujo objetivo foi o de avaliar a infraestrutura dessas instituições e inspecionar obras que estão sendo realizadas neste período de verão. As intervenções seguem o cronograma de reformas ordenado pelo governador Gladson Cameli, que se iniciou no segundo semestre de 2019.

Equipe da SEE e do Núcleo da Educação do Bujari percorre obra de calçamento do ramal, em frente à escola rural no Espinhara; valorização dos estudantes e professores – Foto: Mardilson Gomes

Por onde passou, num gesto de gratidão e de reconhecimento pelos profissionais da pasta, o secretário de Educação levou uma palavra de encorajamento e de confiança de que em breve o ambiente escolar rural será transformado para melhor, sobretudo quando passar a pandemia.

“Quando a gente vem para a zona rural, nos deparamos com o fato de que fazer educação com as nossas peculiaridades amazônicas [chuvas intensas no inverno e longas distâncias das cidades] exige do professor muito amor no coração”, pontuou Mauro Sérgio da Cruz, diante de diretores, professores, coordenadores de ensino e pedagógicos, e inspetores escolares da região.

Secretário de Educação ouve reivindicações da gestora de escola da zona rural do Bujari; preocupação com o bem-estar da comunidade escolar – Foto: Mardilson Gomes

Na opinião do secretário, “aqui percebemos o quanto temos educadores valorosos e verdadeiros, que enfrentam toda adversidade em favor de nossas crianças, dos nossos jovens e das famílias de suas comunidades”.

Na Nova Vida, por exemplo, o governo constrói neste momento uma estação de ônibus escolar coberta, para os dias chuvosos, e realiza no ramal um calçamento com tijolos, numa extensão de cem metros, em frente à escola, com calçadas laterais que terão pisos sonoros para deficientes visuais.

Sistema de internet em escola da zona rural do Bujari permite que professores trabalhem em rede com outros colegas, permitindo um currículo único para todos – Foto: Mardilson Gomes

“Estamos muito felizes de ver que a nossa escola recebe obras que vão gerar um impacto direto na melhoria das nossas aulas, e no conforto dos alunos”, afirma Darlan Silva. Ele acredita que os professores da zona rural, de uma maneira geral, são resilientes, conseguem se adaptar bem às dificuldades, e que todo o apoio dado a esses profissionais é muito bem-vindo.

“Amamos o que fazemos, e isso é meio caminho andado. O restante é valorização. É disso que precisamos para seguir”, ressalta o educador.

Escola Nova Vida, no Projeto de Assentamento Espinhara, terá estação de ônibus coberta em frente e ganhou calçamento do ramal – Foto: Mardilson Gomes

As escolas rurais do município do Bujari estão incluídas no projeto de revitalização para 2021, a ser administrado pelo recém-criado Núcleo de Engenharia da SEE, com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Regional.

Cidade do Bujari terá instituição moderna em 2021

Pelo menos cem computadores novos estão previstos para ser entregues na escola São João Batista, no perímetro urbano do município do Bujari, nos próximos dias. A remessa faz parte de um pacote de investimentos da SEE para melhorar o ensino-aprendizagem e inclui ainda instrumentos de fanfarra.

Gestores da escola São João Batista, no centro do Bujari, com o secretário de Educação; inchaço na rede pública urbana é um problema que será resolvido – Foto: Mardilson Gomes

Mas o que mais alegra os profissionais da unidade é a construção de uma escola-modelo na cidade, que permitirá reduzir o grande número de alunos hoje atendidos lá, desafogando as salas de aula com a transferência de pelo menos metade desses estudantes para a nova escola. Atualmente, a escola São João Batista tem ao menos 1.065 alunos e é a única estadual na zona urbana.

Por isso, o governo do Estado já tem um plano para desafogar a grande demanda de estudantes do ensino fundamental, médio e também da educação de jovens e adultos, nos três turnos. Em 2021, o governo Gladson Cameli vai construir uma nova escola-modelo, num terreno de quase dois hectares cedidos pela Prefeitura do Bujari.

Prefeito do Bujari, Romualdo Araújo, inspeciona área onde será construída a nova escola na cidade, desafogando o único colégio urbano, o São João Batista – Foto: Mardilson Gomes

A área foi visitada pelo prefeito do Bujari, Romualdo Araújo e pelo secretário Mauro Sérgio da Cruz, nesta quinta. “Esse local é avaliado em cerca de R$ 120 mil e será doado por nós em contribuição com governo e com a SEE para que tenhamos uma escola de qualidade, ampla e moderna para a nossa população”, destacou Araújo.

Para o gestor da escola São João Batista, Antonio Matias, a nova escola representará um fôlego nas ações do Núcleo da SEE no município. “A nossa escola é a única referência para as pessoas que moram na cidade. Então, com mais uma sendo erguida em 2021, isso vai permitir que tenhamos melhorias consideráveis na qualidade do ensino”.

Terreno amplo, doado pela Prefeitura do Bujari, será local para escola moderna na cidade – Foto: Mardilson Gomes

Em novembro de 2019, a São João Batista passou por uma revitalização, com uma pintura nova. Para 2021, a ideia é que seja realizada uma nova reforma, desta vez com intervenções no telhado, eliminando goteiras e a presença de morcegos.

Participaram também da visita ao local o chefe do Departamento Gestão da SEE, José Ferreira do Rego, e o engenheiro Lucas Matheus Monteiro, do Núcleo de Engenharia da SEE.

Escola localizada no centro do Projeto de Assentamento Walter Arce, recebeu mobília nova e computadores, nesta quarta-feira – Foto: Mardilson Gomes

Em assentamento, escola ganha mobília nova e espera por ampliação

Tambaqui assado, galinha caipira, bife suculento, arroz, ovo cozido, macarrão e uma diversidade de legumes da região foram servidos em almoço promovido pelos gestores da escola estadual rural Pedro Gomes de Lima, em gratidão à equipe da SEE.

A escola está localizada a 12 quilômetros do Bujari, no ramal da Piçarreira, dentro do Projeto de Assentamento Walter Arce, e a recepção da equipe da SEE foi em tom de agradecimento pelo novo mobiliário, e de esperança por dias melhores, em 2021, quando a direção espera por uma ampliação, com novas salas.

Escola Pedro Gomes de Lima, no projeto de Assentamento Walter Arce, precisa passar por uma ampliação para atender a demanda da comunidade – Foto: Mardilson Gomes

Um dia antes, na quarta-feira, 2, técnicos da SEE foram deixar na escola pelo menos cinco armários, três mesas de computadores, cinco jogos de mesa para professores, 70 carteiras e uma mesa de reunião com oito cadeiras. Todo o mobiliário é novo e no pacote de benefícios foram incluídos ainda três computadores também novos.

Para a gestora da escola, Laelia Muniz Occhi, esse reconhecimento é valioso e garante um estímulo muito grande a todos os professores e técnicos da escola. “Nós somos muito gratos por gestos como esse. Cada investimento que se faz na escola reflete na própria comunidade, nos alunos. E isso é o mais importante”.

Equipe de gestores com o secretário de Educação Mauro Sérgio da Cruz, na sala da escola, com mobiliário e computadores novos – Foto: Mardilson Gomes

Com o crescimento populacional na região, sobretudo com invasões dentro do projeto de assentamento, calcula-se que dobrou o número de pessoas morando no local, onde em 2019 estimava-se haver 800 famílias.

“Esse aumento no número de pessoas já estará causando impacto na matrícula para o próximo ano. Por isso, precisamos de uma ampliação de novas salas”, apelou Occhi ao secretário Mauro Sérgio. Da parte da SEE, o secretário disse estar sensível à questão e que levará o assunto para o governo e os demais gestores.

Laelia Muniz Occhi, gestora da escola, ao centro, mostra a frequência escolar ao secretário Mauro Sérgio da Cruz; clientela escolar aumentou consideravelmente – Foto: Mardilson Gomes