O Rio Acre em Rio Branco chegou à cota de 1,47 metro nesta sexta-feira (28) e está a 17 centímetros de atingir a menor cota histórica já registrada, 1,30 metro no dia 17 de setembro de 2016, desde 1971, ano em que o manancial começou a ser monitorado.

O coordenador da Defesa Civil Estadual, coronel James Joyce Gomes, informou que a situação já é de emergência. Ele disse que em Rio Branco já faz quase um mês que não tem uma quantidade de chuva significativa.

“Já estamos a ponto de decretar situação de emergência, que é quando a gente dá início ao plano de contingência. Estamos há quase um mês sem chuva, exceto uma chuva que tivemos no período da friagem semana passada. Porém, não teve muita contribuição porque foi pouca chuva e localizada”, explicou.

Abastecimento

O diretor de Operação do Departamento Estadual de Água e Saneamento (Depasa), Luiz Anute, disse que a captação de água na capital é feita por meio de flutuantes desde o ano passado e que ainda não há risco de desabastecimento, mesmo com o nível do rio tão baixo.

“A questão do nível, por enquanto, não está afetando o abastecimento. Temos quatro bombas, uma na ETA I e outras três na ETA II estão todas sobre o flutuante e quando dá alguma problema a gente cava com a retroescavadeira no leito do rio, ou então aumentamos a tubulação para levar até o meio do rio”, informou.

Para fazer essas manobras, o diretor informou que para a captação por um período de 4 horas mais ou menos, mas que isso afeta de forma bem pequena e por um curto período de tempo a captação.

Rios no interior

No interior do Acre, o manancial chegou à cota de 2,57 metros em Xapuri; 1,24 metro em Brasileia e 2,77 metros em Assis Brasil.

Outros rios também cortam o estado em outras cidades do interior do Acre. Em Sena Madureira, o Rio Iaco chegou à cota de 1,75 metro, nesta sexta.

Já em Cruzeiro do Sul, o Rio Juruá marcou no início do final de semana 4,29 metros. O Rio Tarauacá, na cidade de mesmo nome, está com a cota de 3,30 metros, até esta sexta. Do G1 Acre.