O governo do Estado, por meio do Grupo de Apoio ao Pacto Acre sem Covid, realizou durante toda esta segunda-feira, 17, o segundo Workshop Online Pacto Acre sem Covid, que reuniu representantes das áreas de saúde e gestão de quase todos os municípios para apresentar a evolução dos indicadores e análise dos cenários.

O principal objetivo do workshop é aprofundar os conhecimentos sobre o pacto e a atual fase da pandemia no Acre, de modo a estabelecer e consolidar uma rede de integração e comunicação direta do Estado com os municípios.

Atualmente, todo o Acre se encontra no Nível de Atenção (Bandeira Amarela), o que garantiu a reabertura de quase todos os setores da economia, incluindo entretenimento e templos religiosos. Com a reabertura e a diminuição do isolamento social, a meta agora é que todas as medidas sanitárias e protocolos de atuação sejam cumpridos, mantendo os indicadores baixos.

Segundo a coordenadora do Grupo de Apoio, farmacêutica Karolina Sabino, a classificação em níveis de risco (bandeiras) é expressa por meio de uma nota geral, que varia de 0 a 15, obtida por meio da mensuração de sete índices, sendo eles: isolamento social, notificações por síndrome gripal, novas internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave, novos casos por síndrome gripal Covid-19, novos óbitos por Covid-19, ocupação de Leitos Clínicos Covid-19 e ocupação de UTIs Covid-19.

“Na etapa em que nos encontramos hoje, temos o resultado de todo esse esforço do Estado para ampliar a rede pública de saúde e o segundo passo vem agora para fortalecer a vigilância e a atenção básica, para que consigamos controlar os demais indicadores, como novos casos e internações. Assim, vamos criando com os municípios uma rede de comunicação tendo sempre um diálogo aberto sobre o entendimento da pandemia em cada regional”, conta a coordenadora.

União pela atenção

De acordo com o método definido pelo Pacto Acre sem Covid, a classificação em nível de risco é realizada conforme a delimitação territorial das regionais de saúde do estado, a saber:  Região do Alto Acre (Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri), Baixo Acre e Purus (Acrelândia, Bujari, Capixaba, Jordão, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Senador Guiomard) e a Região do Juruá e Tarauacá-Envira (Cruzeiro do Sul, Feijó, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves e Tarauacá).

Os membros do Grupo de Apoio destacaram que hoje, por exemplo, o Estado se encontra numa situação confortável de respiradores, com uma lotação tanto de enfermarias, quanto leitos de UTI que chegam a 50% da capacidade, mas segue com desafios, como a aquisição dos remédios para intubação de pacientes que estão escassos em todo o país.

Representando Rio Branco, a cidade que mais concentra casos, a secretária de Planejamento do município, Janete Santos, reforça o papel da vigilância sanitária e construção de protocolos de atuação, além da vigilância epidemiológica neste momento de maior reabertura para que não seja necessário dar outros passos para trás.

“Acredito que o momento de discutir metodologias já passou, esse é o momento de nos organizarmos, nos mantermos alinhados e realizar um trabalho conjunto para levar o Acre a baixar a quantidade de infecções e poder retomar as atividades para fortalecer a economia do estado”, completa Janete.