A cidade de Cobija, no departamento de Pando-Bolívia, como se não bastasse a fronteira fechada por causa da pandemia em alto nível, agora corre o risco do desabastecimento de combustível.

O combustível que tem liberação para entrar pelo Brasil, corre o risco de em 10 dias não ter mais o precioso líquido; devido a pandemia, o processo eleitoral que estava previsto para setembro, foi mudado para outubro, e o partido do MAS, que é do ex-presidente Evo Morales, não aceita essa mudança e já começou bloquear as principais estradas bolivianas; com isso já não está transitando os caminhões pipas com combustível e consequentemente não chegará nas fronteiras brasileiras de Assis Brasil e Guajará Mirim para cruzarem pra Cobija.

Cobija que fica um pouco isolada do centro Boliviano via estradas, depende muito do Brasil, principalmente na alimentação, e com a pandemia está mais isolada ainda, e sem perspectivas de abrir a fronteira, a situação pode piorar ainda mais.

Com a pandemia, está em alta faltando leitos e medicamentos e com várias mortes diariamente, será quase impossível de controlar a nossa fronteira por locais clandestinos; já que se tornará um caso de sobrevivência, de alimentação e medicamentos, e com isso aumenta o risco em nossa fronteira de alimentar a proliferação do vírus para os dois lados.

Isso é preocupante, já que mantínhamos um bom relacionamento comercial, lazer e saúde nos dois lados. Diz Carlos Portela

Hoje Bolívia completa 195 anos e sem as comemorações patrióticas de sempre.