Folha do Acre – A gigante e ao mesmo tempo pouco conhecida empresa Murano, do ramo da construção civil, que arrematou através de adesão um registro de preços, a famosa carona, obras no valor de R$ 55 milhões de reais no Acre, misteriosamente encerrou suas atividades no estado. 

A empresa amazonense foi contrata pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra), em um termo de homologação assinado pelo secretário Ítalo Medeiros, para executar serviços de manutenção predial preventiva, correria ou de adequações necessárias nos prédios, edificações e espaços públicos de propriedade do Governo do Acre.

A empresa, de acordo com publicação do Diário Oficial de 3 de agosto, fornecerá mão de obra, peças, acessórios, ferramentas, equipamentos, material de consumo e material de reposição imediata.

A empresa Manauara poderá abocanhar mais de R$ 30 milhões de reais, de acordo com o processo 40160011948000452019-10, isso totalizando todos os lotes.

O interessante da nova gigante da construção é que eles estão dispostos a trabalhar bem abaixo do valor da tabela usada pelo Sistema Nacional de Pesquisa Custos e Índices de Construção Civil (SINAPI).

Em alguns lotes, como o caso do 1º, eles chegaram a garantir desconto de 40,4% na tabela praticada. O desconto é praticamente uma filantropia, mas como isto não existe no mundo corporativo quando se presta serviços a governos, a Folha do Acre entrou em contato com o secretário da Seinfra para saber se estará assegurado a garantia das obras diante de tantos descontos.

“Eles terão que entregar com a qualidade exigida, mas vale lembrar que muita coisa é apenas manutenção”, diz.

A respeito da saída da Murano, Ítalo afirma que foi mero detalhe técnico e que a empresa de Brasília foi vencida na licitação de forma legal.