Em menos de dois anos as forças policiais já realizaram duas grandes operações, contra desvios de recursos no atual governo de Gladson Cameli. As duas operações em questão, foram realizadas com o intuito de combater a corrupção no sistema público.

Até o momento, evidências mostram o quanto a corrupção esteve entranhada na coisa pública, mas que a justiça tem dado resposta positiva a população contras essas práticas criminosas nas áreas diversas.

Primeira Operação

A primeira operação foi no último dia 9 de abril e teve como alvo a Secretaria Estadual de Educação, onde segundo a justiça, um grupo de servidores e empresários, possivelmente desviaram R$ 22 milhões da merenda escolar. Os investigados tiveram R$ 5 milhões bloqueados de suas contas. Além disso, a Justiça tornou temporariamente indisponíveis bens móveis, imóveis, entre outros.

Outrora, a Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE) disse ser favorável às investigações e afirmou que o primeiro pedido de auditoria foi feito no dia 18 de março de 2019 para que tanto o Tribunal de Contas quanto os demais órgãos fiscalizadores averiguassem, já naquele momento, quaisquer indícios de irregularidades que pudessem haver na SEE.

A investigação partiu da Delegacia de Combate à Corrupção (DECOR) e do Departamento de Inteligência da Polícia Civil, juntamente com a Controladoria Geral do Estado (CGE). Foram mais de 2 meses de investigações da Operação Mitocôndria que achou pistas e provas de desvio de recursos públicos e fraudes em licitações relacionadas à merenda escolar, em âmbito estadual.

Segunda operação

Já a segunda operação no atual governo, denominada de “Toque de Caixa”, foi deflagrada pela Polícia Civil nesta segunda-feira (3), resultando na prisão  do ex-presidente do Departamento de Águas e Saneamento (Depasa), Tião Fonseca.

Já nas primeiras horas os agentes da Polícia Civil estiveram na sede do DEPASA em Rio Branco, onde objetivou o cumprimento de quatro mandados de busca e apreensão e dois de prisão (Tião Fonseca e sua esposa), ambos investigados em um suposto esquema de pagamento irregular no valor de R$ 561.853,06, realizado em março deste ano, à empresa Bucar Engenharia, de propriedade da esposa de Fonseca.

Diante da situação fica difícil acreditar nas promessas do governador Gladson em proporcionar grandes mudanças ao estado, pois o que se vê é um governo metido em brigas políticas, e rodeado de denúncias de corrupção e o mais importante, um governo que direciona os serviços para empresas de outros estados.

A saúde que já vinha sendo alvo de investigações, antes da Pandemia, é um local propício para uma nova operação. Lembrando que a SESACRE é a pasta que mais tem recebido recursos do governo federal e de emedas parlamentares, estes com objetivo de fortalecer ações de combate ao Covid-19.

A Polícia Civil afirmou que, já fez o bloqueio de contas dos investigados e que os valores pagos irregularmente no Depasa, serão ressarcidos aos cofres do estado.

Quanto aos desvios dos recursos da Merenda Escolar, os inquéritos não foram concluídos e muita coisa ainda precisa ser esclarecida pela justiça.