Dando continuidade ao trabalho de orientação sanitária nas lojas reabertas ao público, após a flexibilização para o comércio varejista, permitida no nível laranja de classificação do Pacto Acre sem Covid, a Prefeitura, por meio da equipe da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), realizou na manhã desta quarta-feira, 29, visitas educativas no Calçadão da Benjamim Constant e no Camelódromo.

Além da secretária municipal de Saúde, Jesuíta Arruda, e do coordenador do Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus, Osvaldo Leal, o trabalho da equipe da Vigilância Sanitária Municipal foi acompanhado pelo vereador Carlos Juruna, presidente do Sindicato dos Camelôs de Rio Branco.

De acordo com a secretária Jesuíta Arruda, o objetivo é orientar quanto ao cumprimento das medidas recomendadas pelas autoridades sanitárias para evitar uma nova onda de proliferação do novo coronavírus. “Felizmente vimos que os comerciantes e as pessoas estão conscientes e obedecendo as regras de distanciamento, estão utilizando as máscaras, o álcool, as lojas com barreiras sanitárias e o nosso objetivo, nesse momento, é continuar orientando para que não venhamos a retroceder no controle da Covid-19. Nós estamos otimistas”, destacou.

A principal preocupação do Comitê Municipal de Enfrentamento ao novo Coronavírus é cuidar para que a reabertura do comércio não provoque a proliferação viral e prevenir que Rio Branco não retroceda no enfrentamento à Covid-19 e volte para a faixa vermelha, de emergência. “As pessoas já estão preparadas, tomando os cuidados e o interessante é perceber como todos estão sentindo o momento e empenhados em ajudar, em se proteger e em proteger os outros para evitar um novo avanço do vírus”, observou o médico Osvaldo Leal.

Ele enalteceu ainda a parceria com o Sindicato dos Camelôs quanto à divulgação das medidas junto aos comerciantes e a disposição em receber a equipe da Vigilância Sanitária. “Essa boa relação é fundamental no sentido de contribuir com essa fase de conscientização de que o trabalho deles é importante do ponto de vista da sobrevivência, mas que existem os riscos e todos precisam estar envolvidos para que seja um funcionamento seguro”, acrescentou Leal.

O vereador Carlos Juruna reconheceu a importância da ação da Prefeitura. “Precisamos avançar e não voltar atrás. Somos um comércio diferenciado, de rua, e nós estamos conversando, fazendo nossos concessionários e a população entenderem que todos os cuidados são necessários. Todo mundo aderiu porque todo mundo quer trabalhar. Nós passamos quatro meses fechados e não queremos ter retrocesso. O trabalho da Vigilância da Prefeitura foi muito bom, em vez de ser uma coisa repressiva, foi educativa, e os cidadãos estão reconhecendo porque quando o trabalho flui, a sociedade reconhece. A secretária e o doutor Osvaldo nos parabenizaram, então vamos seguir nessa parceria”, reafirmou.

As visitas da Vigilância Sanitária ao local estão previstas para ocorrerem a cada 15 dias e o cronograma segue por outras regionais onde se concentram comércios varejistas e de serviços com maior tendência de aglomeração de pessoas, segundo informou o coordenador Municipal de Vigilância em Saúde, Félix Araújo.

Na ação, os agentes da Vigilância Sanitária do Município observam se os estabelecimentos estão tomando os cuidados recomendados, tais como o controle da quantidade de pessoas no interior das lojas que deve obedecer o limite máximo de 30% de sua capacidade nas áreas de livre circulação, se há marcações horizontais e outras medidas que indiquem respeito ao distanciamento social de 1,5 metro, pelo menos, nos locais de espera (filas) e a disponibilização de álcool em gel ou líquido para a higienização das mãos, entre outras medidas de segurança estabelecidas no Decreto Municipal 488, de 21 de julho de 2020, para o funcionamento seguro das atividades econômicas.