O vereador e médico Jakson Ramos (PT) solicitou nesta quinta-feira, 23, que o Poder Executivo Municipal e Estadual reforcem o trabalho informativo à população sobre a necessidade de manter os cuidados de prevenção à Covid-19.

Com o avanço da capital acreana para a faixa laranja de classificação, de acordo com o Pacto Acre sem Covid-19, parte das atividades comerciais foi retomada nesta semana, o que não significa que o novo coronavírus deixou de ser uma ameaça à saúde pública. 

“Estamos passando por um momento de flexibilização importante, mas temos que ter um cuidado redobrado, pois com o aumento do número de pessoas em circulação, também precisamos manter os cuidados nas relações sociais mantendo a distância, mantendo o uso de máscaras e higienizando as mãos com frequência”, reforçou.

No Acre, já são quase 500 vidas perdidas e mais de 18 mil casos de pessoas contaminadas pela covid-19. O vereador se disse ainda contra a retomada das aulas na rede municipal de ensino, como forma de proteção não apenas aos alunos mas também de seus familiares, em especial as pessoas idosas. 

Trata-se de aproximadamente 25 mil alunos na Rede Municipal de Ensino, e outros 170 mil na Rede Estadual de Ensino sem levar em consideração os inúmeros servidores igualmente afetados.

“Como médico e vereador, sou contra a retomada das aulas antes da disponibilização de vacina, pois especialmente na região norte, temos uma característica peculiar onde em toda casa que há criança há também um idoso. São duas ou mais gerações que convivem juntas e o retorno precipitado às aulas traz um enorme risco de contaminação e consequentemente morte, pois não temos como estabelecer um controle efetivo”, opinou Ramos.

“Temos indicadores de que há pelo menos uma vacina quase pronta à disposição já no mês de setembro. Sou a favor de que possamos esperar até que possamos imunizar a população e dispensar crianças e jovens do retorno às escolas, pois caso contrário essas crianças e jovens serão vetores de contaminação de seus familiares, principalmente aqueles que possuem comorbidades e poderão ser levados a óbito. Isso é um risco muito grande e estamos na iminência da liberação de uma vacina, então estender [o retorno às aulas] dois meses a mais não irá comprometer o calendário escolar, pois já se passaram cerca de cinco meses”, salientou.

Avanço da pandemia prejudica toda a Saúde

Outro ponto destacado pelo vereador é que se a pandemia continuar avançando, a situação traz risco para toda a Saúde. Um exemplo claro desse risco, é que desde o início da pandemia de covid-19 no Brasil, cerca de 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer, enquanto milhares de  outros pacientes, já com o tumor detectado, tiveram os tratamentos suspensos, de acordo com dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Patologia e de Cirurgia Oncológica.

Segundo os dados, só em abril, cerca de 70% das cirurgias de câncer foram adiadas, o que acende um alerta em dois aspectos: os cancelamentos de procedimentos não urgentes, como exames, consultas e cirurgias; e por outro lado a recusa de pacientes com outras doenças ou sintomas em procurar um hospital ou clínica por medo de contraírem o coronavírus.

Os dados divulgados estimam ainda que houve queda ao menos de 50% no número de diagnósticos de câncer no País nos últimos dois meses – o que leva à estimativa de 50 mil casos que continuam desconhecidos pelos pacientes.