Ascom – A última é de que deputados da bancada federal do Acre votaram contra a prorrogação do auxílio emergencial até dezembro. Isso é mentira.

A verdade é que a bancada federal ajudou a aprovar por unanimidade, no dia 26 de março, a criação do auxílio emergencial em amplo debate com o Governo do presidente Bolsonaro para garantir o pagamento durante três meses o auxílio emergencial de R$ 600,00.

Inicialmente o Governo propôs apenas R$ 200,00 de auxílio. Porém, num esforço do Congresso e do Governo, o valor foi aumentado pra R$ 600 reais com o governo apresentando a previsão orçamentária para cumprir os pagamentos.

Em 16 de abril, os parlamentares acreanos ajudaram a estender, na Câmara e Senado, o auxílio emergencial para mais de 20 categorias que incluíram: Pescadores profissionais, artesanais e os aquicultores; Agricultores familiares; Arrendatários, extrativistas, silvicultores, beneficiários dos programas de crédito-fundiário, assentados da reforma agrária, quilombolas e demais povos e comunidades tradicionais; Técnicos agrícolas; Trabalhadores das artes e da cultura; Cooperados ou associados em cooperativa; Taxistas e mototaxistas; Motoristas de aplicativo; Motoristas de transporte escolar; Caminhoneiros; Entregadores de aplicativo; Diaristas; Agentes de turismo e guias de turismo; Seringueiros; Mineiros; Garimpeiros; Missionários de confissão religiosa e profissionais assemelhados.

Justamente por não ter previsão orçamentária o Governo vetou essas categorias.

No dia 30/06, mediante apelo de vários parlamentares, o governo prorrogou o auxílio emergencial, “por decreto”, por mais dois meses, julho e agosto, diante da permanência do fechamento do comércio na maioria das cidades brasileiras.

“Na quarta-feira, 15/07, os parlamentares acreanos ajudaram a aprovar o projeto de autoria do DEMOCRATAS que estabelece que o auxílio emergencial de R$ 600 não pode ser penhorado ou sofrer qualquer bloqueio judicial, exceto no caso de pensão alimentícia. Temos votado a ampliação e a proteção do auxílio”, afirma o deputado Alan Rick (DEM/AC).

Durante o debate desta matéria, a Oposição ao Governo tentou inserir uma “emenda jabuti” propondo a prorrogação do auxílio emergencial sem a apresentação pelo Governo da previsão orçamentária. Detalhe: tal emenda não precisava sequer ser votada no Plenário, uma vez que a Lei permite ao governo prorrogar por decreto.

O objetivo era claro: criar uma Fake News para atacar o Governo e os parlamentares que não caíssem na armadilha.

“Sou favorável a prorrogação do auxílio emergencial e seu pagamento por mais tempo pra quem mais precisa. É mentira que votei contra o pagamento de mais parcelas do benefício”, afirma o deputado Manuel Marcos (Republicanos/AC).

“Quem acompanha o trabalho sério que venho executando, sabe do meu compromisso e da minha responsabilidade para com o povo acreano e brasileiro. As mentiras e os ataques inescrupulosos virão, mas a verdade sempre prevalecerá”, afirmou Mara Rocha (PSDB/AC).

A deputada Jéssica Sales (MDB/AC) também comentou:

“matéria construída por um irresponsável, site espalhando notícias falsas e tentando manipular quem lê. Durmo e acordo belíssima, dando risada dessas fake news. Nossos acreanos são inteligentes e acompanham cada um de nós representantes. Nem gasto minhas rugas com isso”.