Após disponibilizar mais de três mil testes rápidos e de ter um aumento na procura por pessoas de outras cidades para fazer o exame de Covid-19, a prefeitura de Senador Guiomard decidiu fazer testes apenas para os moradores da cidade. A medida se deu após mais de 800 pessoas de outros municípios terem sido testadas naquela localidade.

Para fazer o exame, a partir da publicação do decreto, o paciente deve apresentar documento com foto, cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e comprovante de residência.

O decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (10). A cidade registrou, até esta quinta (9), 277 casos da Covid-19 com seis vítimas fatais, segundo o boletim diário da Secretaria de Saúde (Sesacre).

Os exames de sorologia estavam sendo feitos para acompanhar a situação dos moradores, mas ação atraiu também pessoas de outras cidades para fazer o exame, o que interfere nesse controle.

O secretário de saúde do município, Gleison Bandeira, disse que foram disponibilizados três mil testes e, deste total, pelo menos 800 foram feitos em pessoas de fora em um período de duas semanas.

“A procura dentro do município está muito grande, então a gente está priorizando os munícipes de Senador Guiomard. A partir do momento que a gente abre essa restrição, damos prioridade para os de dentro. Lógico que vão aparecer pessoas de outros municípios e o SUS é para todos, nós vamos atender, mas, como estava vindo em grande escala, a gente deu essa freada nessa saída”, explicou.

O decreto afirma que os exames laboratoriais para Covid-19 devem ser obrigatoriamente disponibilizados apenas para quem mora na cidade, assim como os medicamentos para o tratamento da doença.

Falta reagente

Bandeira disse que o primeiro lote dos exames acabou nesta semana e aguarda mais três mil para a próxima semana. Além disso, informou que nesta sexta os testes foram suspensos por falta de reagente do laboratório.

“Mas, dentro da unidade referência, as atividades continuam com os atendimentos médicos, orientações e o direcionamento dos pacientes, seja para o hospital ou até mesmo para Rio Branco”, concluiu. Do G1 Acre.