O Ministério Público do Acre (MP-AC) denunciou o ex-companheiro de Jacicleia de Castro Vieira, de 39 anos, por tentativa de feminicídio para a Justiça acreana. Luiz Felipe Santos Azevedo é suspeito de atirar três vezes na vítima no mês de junho em Rio Branco.

O crime ocorreu no bairro Santa Helena, quando Jacicleia voltava da cidade de Senador Guiomard, no interior, com um homem dentro do carro. Ela foi perseguida por Azevedo e ferida com três disparos.

Após mais de um mês, a vítima segue internada no Pronto-Socorro de Rio Branco lutando pela vida. Ela passou por uma cirurgia na cabeça e está em estado gravíssimo na UTI da unidade de saúde. Após três dias do crime, o suspeito se entregou na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) e confessou o crime.

Em nota, o MP-AC informou que a denúncia foi apresentada no último dia 1º para pela 5ª Promotoria de Justiça Criminal da Comarca de Rio Branco para o Juízo da 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Estado de saúde

A família de Jacicleia disse que ela tem uma lesão no cérebro que compromete os sentidos e não consegue falar.

“Ela está melhor, esteve entre a vida e a morte, está em coma, mas não corre mais risco de morte, segundo os médicos. O cérebro dela ainda está muito inchado, a evolução do cérebro é a que mais demora. A parte da garganta, cordas vocais arrancou tudo. Ela vai falar, é reversível, mas falam que quando tiver alta pode viajar para fazer cirurgia. Até lá, não vai falar”, explicou o irmão de Jacicleia, Joney de Castro Vieira.

Ainda segundo o familiar, a mulher ainda não tem previsão de alta do hospital. A família foi aconselhada a comprar alguns equipamentos médicos para ajudar na recuperação de Jacicleia.

“A veia que manda oxigênio foi apertada pelo projétil e não jogou oxigênio para o cérebro e deu uma lesão. Ela teve duas paradas cardíacas, uma de sete minutos e outra de dez minutos na sala de cirurgia”, relembrou.

Campanha

Jacicleia é estudante de gestão hospitalar e gestão em saúde pública na Faculdade Sensu Acre. Para ajudar a aluna, a coordenação da faculdade iniciou uma campanha entre os estudantes para arrecadar dinheiro e ajudar a adaptar o quarto e banheiro da casa de Jacicleia .

“Estamos fazendo uma arrecadação de R$ 70 por aluno. No decorrer do curso, os alunos têm que ter uma carga horária de 100 horas extra classe, mas os que tiveram devendo essas horas pagam R$ 70 para o irmão da Jacicleia e a gente dá as horas para eles. Vamos falar o balanço no final do mês, começamos na sexta [3]”, falou o coordenador Marcos Mustafá. Por Aline Nascimento, G1 Acre