A Prefeitura de Rio Branco tem garantido o devido atendimento às demandas nas unidade de saúde do município como, por exemplo, o acompanhamento pré-natal a mulheres grávidas para prevenir a mortalidade materna e de recém-nascidos, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus.

A secretária municipal de Saúde, Jesuíta Arruda, lembrou que a metodologia não é nova, porém com os riscos de contaminação pelo novo coronavírus as pessoas estão seguindo o fluxo como orientado pelos profissionais de saúde, evitando filas e longas esperas. “Sempre foi agendado, mas as pessoas vinham mais cedo ou mais tarde para pegar fichas e agora estão obedecendo o horário marcado e isso tem dado tranquilidade no atendimento. Mesmo assim, não temos deixado de atender ninguém por demanda livre, mas de uma forma criativa. Estamos nos reinventando e nunca foi tão obedecido o horário agendado quanto agora”, pontuou.

O médico Oswaldo Leal, coordenador do Comitê Municipal de Enfrentamento ao Novo Coronavírus, enfatizou a importância do monitoramento das mulheres grávidas, para que mesmo durante a pandemia não deixem de realizar suas consultas, observando as orientações quanto aos cuidados preconizados pelo Ministério da Saúde, inclusive às gestantes de alto risco.

“O importante é que durante a pandemia o fluxo de atendimento às demais condições de saúde da população não parou. Esse fluxo foi redirecionado no sentido de ter o agendamento prévio e de as pessoas procurarem o agendamento dentro de um fluxo específico com marcação de assentos e manutenção do distanciamento e com os cuidados necessários para evitar aglomerações. As unidades continuam fazendo os atendimentos e um exemplo é a continuidade do pré-natal de alto risco integrado também com a Maternidade Barbara Heliodora”, explicou

A organização do fluxo de atendimento garantiu o êxito alcançado no primeiro semestre deste ano no atendimento pré-natal. Os dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), com base no sistema de gestão do Programa Bolsa Família, mostram que o acompanhamento das gestantes beneficiadas ultrapassou a meta pactuada para o período de janeiro a junho de 2020. Das 734 estimadas, foram localizadas 750 gestantes, totalizando uma cobertura de 102,18% com o pré-natal em dia e dados nutricionais coletados.

Como estímulo para as gestantes não descuidarem da realização de suas consultas pré-natal ao concluírem o ciclo de sete consultas ou mais elas recebem um kit bebê contendo uma bolsa, um conjunto pagão, sabonete líquido, shampoo, lavanda e fralda.

Na manhã desta quarta-feira (08) as gestantes atendidas nas Unidades de Saúde da Família (USF) Francisco Caetano da Silva, no bairro Adalberto Aragão e Luiz Gonzaga de Lima, no bairro Placas receberam o benefício. Uma delas, A.R.O., de 14 anos, na 36ª semana de gestão do primeiro filho era só gratidão. “Foi uma surpresa muito boa e vai me ajudar muito. O atendimento aqui é ótimo, não tenho do que reclamar”, destacou.

Além dela, o casal Rosângela Lima, 29, e Antônio Mota, 32, também receberam o kit bebê. “Toda ajuda é bem-vinda e isso é mesmo um incentivo para a gente permanecer no acompanhamento”, disse ela que, à espera do quarto filho, disse que sempre fez o pré-natal na unidade.

A secretária Jesuíta Arruda, informou que ao todo estão sendo entregues 410 kits nas 47 unidades de saúde do Município, às grávidas do Programa Bolsa Família. “Essa ação com as grávidas acontece há 5 anos e antes da pandemia fazíamos em grupos, com book de fotografias, inclusive. Uma forma a mais de humanizar o atendimento. E elas já saem com agendamento de exames e medicamentos, se precisar. Quem falta, os nossos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) fazem uma busca ativa em domicílio”, disse.

Além do pré-natal, ela acrescentou que médicos, enfermeiros, aplicação de vacinas e outros atendimentos continuam sendo ofertados.

De acordo com a secretária, em todas as UBS’s estão sendo realizados os testes rápidos para hepatite-B e C, sífilis e HIV, as vacinas para a grávida (H1N1, hepatite-B e dtPA) e também é garantido duas USG obstétricas.

Para as gestantes que apresentam síndrome gripal (tosse, espirro, dor de garganta, febre ou outro) as consultas de pré-natal e exames de rotina são reagendados para depois de 14 dias, e as grávidas são monitoradas pelos profissionais do telessaúde, com avaliação clínica minuciosa e triagem de sintomas.

Todas as demais gestantes assintomáticas estão sendo atendidas nas Unidades Básicas de Saúde com horários agendados, resguardando-se o zelo com a prevenção de aglomerações, boas práticas de higiene com oferecimento de álcool gel, rastreando o isolamento domiciliar de casos suspeitos de síndrome gripal.

O acompanhamento faz parte também das condicionalidades do Programa Bolsa Família para gestantes e mães que amamentam, protegidas com dois benefícios: o Variável Gestante e o Variável Nutriz, pagos durante o período de gravidez e nos primeiros meses da amamentação, para reforçar a alimentação das mães e dos recém-nascidos, entre outras necessidades.