Com o intuito de dinamizar e modernizar os setores de produção, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia (Seict), promoveu uma reunião nesta quarta-feira, 1º, com marceneiros e autoridades do município de Acrelândia. Na ocasião, representantes do setor moveleiro abordaram os problemas que estão enfrentando. 

Participaram da reunião, o presidente do Instituto do Meio Ambiente do Acre (Imac), André Assem e o vice-prefeito de Acrelândia, Marcos Teixeira.

Anderson Abreu, titular da Seict, salientou a importância de conhecer o setor moveleiro de Acrelândia pessoalmente e destacou que a secretaria prestou informações e esclarecimentos sobre os procedimentos a serem tomados a respeito dos processos de concessão dos galpões pertinentes ao Pólo Moveleiro.

“Foi bom conhecer de perto a realidade do setor em Acrelândia, essa reunião foi muito produtiva, pois ouvimos as demandas do setor moveleiro de Acrelândia e orientamos como o local pode ser mais atrativo para o mercado e ponderamos os encaminhamentos que precisam ser tomados pelos empresários. Precisamos como Estado atender e dar soluções imediatas a esses problemas de documentações.  O objetivo do governo Gladson Cameli é alavancar o crescimento do Setor Industrial do Estado, propiciando um incremento da geração de emprego e receita e consolidar a política de desenvolvimento sustentável”, avaliou Anderson Abreu.

Na ocasião, foi solicitado pela Seict uma lista com o nome de todas as indústrias para que se regularizem junto à prefeitura de Acrelândia e a Comissão da Política de Incentivo às Atividades Industriais do Estado do Acre.

Como encaminhamento foi solicitado à Prefeitura de Acrelândia, por intermédio do vice-prefeito que apoie a manutenção e a limpeza dessas indústrias. Os empresários e a prefeitura de Acrelândia se comprometeram em dar celeridade aos trâmites.

“Nessa reunião, aproveitamos para esclarecer dúvidas sobre os procedimentos legais, pertinentes aos processos de concessão do direito real de uso dos galpões marceneiros que tramitam na Copiai, para que os empresários possam, o mais rápido possível, obter a escritura de concessão do imóvel e com isso sintam-se mais seguros e motivados a investir no empreendimento e consequentemente aumentem sua produção e a oferta de empregos no município”, ressaltou chefe da Divisão da Política de Incentivo à Atividade Industrial da Seict, Gilsiane Campos.