Adelaide precisava sair de casa para buscar o medicamento da filha, e às vezes acabava deixando-a sozinha.

Os motoboys do Centro de Referência de Medicamentos Especiais (Creme) atravessam a cidade, circulam em todos os bairros e nada é empecilho para que eles entreguem os medicamentos especializados a quem precisa.

Todos os dias um deles chega às casas de pacientes, bate palmas, identifica-se e realiza a entrega para essas pessoas que fazem tratamento domiciliar. Ao todo, 869 entregas já foram realizadas pela equipe no período da pandemia.

Na sexta-feira, 26, Maria Adelaide de Lima, mãe da paciente Maria Elsília, de 30 anos, que desde pequena tem diabetes do tipo 1, recebeu a visita do entregador com os medicamentos essenciais para  o tratamento da filha.

Quando os parentes precisavam se deslocar até o Creme para pegar a medicação, muitas vezes os pacientes, como Maria Elsília, ficavam sozinhos. Com essa facilidade, Adelaide não precisa mais ir até a unidade.

O Creme realiza o cadastro dos pacientes e o controle das medicações, que são monitoradas, inclusive, com um fluxo mensal de entrega, para que não faltem.

Os motoboys chegam cedo ao serviço e se organizam, pegando os endereços e levando os medicamentos aos pacientes.

Seguindo os protocolos

Seguindo os protocolos e medidas de prevenção ao coronavírus, o Creme precisou reduzir os atendimentos presenciais, para a segurança dos profissionais e dos pacientes que procuram a unidade. Essa é mais uma adequação que a Saúde do Acre realizou em meio à pandemia, em que todos os setores da sociedade tiveram que se adaptar à nova realidade, criando estratégias para continuar desempenhando os seus papéis.

“O medicamento entregue em casa é para a segurança deles, é uma medida de prevenção e cuidado com os pacientes”, destacou a gerente da Divisão de Material Médico-Hospitalar, da Assistência Farmacêutica, Rossana Freitas.

O Creme lida com a distribuição de medicamentos especializados, ou seja, são remédios que causam uma reação forte no paciente, por isso existe todo o protocolo a ser seguido, para a segurança do paciente.

Adequação à realidade

Número de Whatsapp, mais uma linha telefônica e reorganização das funções foram algumas das medidas adotadas pelos funcionários do Creme para atender aos seus usuários.

“Quando nós lançamos o programa, tivemos que nos adequar, colocamos outra linha telefônica, compramos um chip para Whatsapp, distribuímos novas atribuições dentro do Creme”, elencou Rossana Freitas.

“Nós criamos um grupo para transplantados, por exemplo, para ficarmos informados e poder ajudá-los nessa nova realidade. Então são várias as estratégias que criamos e adotamos no dia a dia”, salienta a coordenadora.

Flávio Câmara de Araújo, de 73 anos, há três passou por um transplante de fígado e, desde então, faz uso de medicações como Tracolimo. Na manhã, desta sexta-feira, 26, ele também recebeu em sua residência o remédio.

“Eu não posso sair de casa, pois faço parte do grupo de risco. Então eu evito pegar ônibus, por causa dessa doença. Minha filha também me leva, mas não pode levar toda hora. Por isso, eu agradeço ao Governo do Estado por estar fazendo isso pela gente”, registra Flávio.

Flávio Câmara fez transplante de fígado há três anos, e como faz parte do grupo de risco, deve ficar isolado em casa.