“Com a elevação da pandemia, o grande índice de queimadas é preocupante, temos pessoas com problemas respiratórios, e isso pode agravar ainda mais a saúde da população, além de ampliar as chances de um colapso hospitalar”, disse.

Segundo dados do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), o período crítico das queimadas acontece de maio a outubro causando prejuízos à saúde e à natureza.

Com a pandemia o problema aumenta e coloca em risco a vida da comunidade.

De acordo com um estudo realizado pela Universidade Federal do Acre, durante as queimadas, a poluição do ar afeta o sistema respiratório e causa outras doenças, o que pode sobrecarregar os hospitais.