Policiais militares ajudaram, neste domingo (21), uma mulher de 38 anos que deu à luz um bebê sozinha em casa, no bairro Leonardo Barbosa, em Brasileia, no interior do Acre. Não conseguimos contato com a mãe do bebê, pois eles ainda estão internados.

A comandante do batalhão, major Ana Kássia, informou que a guarnição foi abordada por um morador que pediu ajuda e relatou que a mulher estava em trabalho de parto.

“A guarnição estava indo atender uma ocorrência e um popular estava passando, viu a viatura e pediu ajuda. Quando a viatura chegou lá, o feto já tinha sido expulso e eles cortaram o cordão umbilical para poder transferir a mãe e a criança para o hospital”, informou a major.

Um dos policiais que estava na guarnição também é estudante de medicina e fez os primeiros procedimentos, conforme informou a major. Ao chegar no local, os militares teriam encontrado o bebê no chão da casa, ligado à mãe pelo cordão umbilical.

“Um deles é estudante de medicina e fez a parte emergencial. A gente tem o mínimo de EPI de emergência, é uma praxe da Polícia Militar e em toda ocorrência utilizar esse EPI, principalmente durante a época de Covid-19, porque é a melhor forma de se proteger, então, em toda ocorrência nossa é utilizado”, contou sobre os primeiros socorros.

A direção do Hospital de Brasileia informou que mãe e filho estão bem e vão ter alta ainda nesta segunda-feira (22).

‘Emocionante’

O sargento da PM Helton Rafael Mendes, que é também é estudante do segundo ano de medicina, foi quem cortou o cordão umbilical do menino, ele conta que a ação foi emocionante.

“Foi muito emocionante. Muito bom poder ajudar essas pessoas mais carentes que precisam da gente, é fantástico. Acho que foi uma das melhores ocorrências que apareceram na minha frente, na minha vida e isso marca. Ficamos muito emocionados”, lembra.

O sargento ressalta que estavam em uma ocorrência, quando surgiu a emergência.

“A gente estava em uma ocorrência quando nos deparamos com essa situação e, de pronto, fomos lá e ajudamos, quando cheguei, a criança já estava no chão. Fui olhar se a criança estava respirando, se não tinha nenhum líquido sufocando, cortei o cordão umbilical e depois levamos para o hospital”, relembra.

O policial disse que a mulher estava em casa na companhia de familiares e preferiu não comentar sobre o motivo de ela não ter sido levada ao hospital antes do nascimento do bebê. “O importante é a vida e a assistência que a gente pode dar”, finaliza Mendes. Do G1 Acre.