A pequena Agatha Letícia, de 11 meses, morreu em casa na noite desta sexta-feira (19) na cidade de Plácido de Castro, interior do Acre. Em um período de 15 dias, a família diz que buscou ajuda para a criança no hospital duas vezes, mas o médico que a atendeu mandou que ela fosse para casa.

Agatha chegou a fazer exames e foi diagnosticada com anemia e infecção urinária. A família pediu para que ela ficasse internada ou fosse encaminhada para o Hospital da Criança em Rio Branco, mas ouviu do médico que não era aconselhado devido à pandemia do novo coronavírus.

Na certidão de óbito da bebê, o hospital descreveu a causa da morte como desconhecida. A família também pediu que fosse feito um exame para Covid-19, mas o médico também não fez.

Para a avó Dulcelene Alves, houve negligência por parte do hospital.

“Ele disse para mim que não adiantava internar ela porque estava dando Covid e iria colocar a vida dela em risco. Que não era mais para eu ir para o hospital, então, não fui mais. Comecei a orar em casa e entregar nas mãos de Deus. Não ia lá para baterem a porta na minha cara, a gente vai lá e o médico não olha nem para a cara do paciente, não examina”, lamentou a avó da criança.

“Ainda vamos investigar o que aconteceu. A notícia que escutei é que uma criança pequena morreu. Vou tentar me certificar hoje [sábado, 20] de manhã o que aconteceu, pegar detalhes e entender o que aconteceu para dar uma explicação. Na semana que vem vamos nos reunir e entender o que aconteceu”, disse o diretor clínico e de assistência da unidade, Dino Hernandez.

Dulcelene era quem cuidava da bebê desde os seis meses. Há cerca de 15 dias, Agatha começou a ter falta de ar e perder peso. A avó procurou o hospital e foi liberada com a neta.

Como a criança não melhorava, Dulcelene buscou um posto de saúde, onde foram feitos os exames de urina e hemograma completo. Ela foi medicada e voltou para casa.

Há uma semana, a menina piorou novamente e a avó voltou ao hospital em busca de encaminhamento para Rio Branco.

“O médico mandou a gente vir pra casa, que não internava por causa da Covid. Ainda perguntei se ele queria que ela morresse em casa e ele falou que não, passou o remédio e voltamos casa. Teve uma melhora, passou uns quatro dias bem, brincando e comendo bem. Quando foi na quinta [18], amanheceu ruim e morreu ontem [sexta,19] à noite”, lamentou.

Dulcelene disse que a neta morreu dormindo. Ela colocou a criança na rede e quando foi levá-la para a cama, viu que a neta estava roxa e dura.

“Acionei o Samu, mas ela estava sem vida. Estava fria, dura. Fizeram massagem, mas não adiantou”, conta emocionada.

Em um vídeo divulgado pela família, os profissionais do Samu aparecem tentando reanimar a criança. Uma tia reclama da falta de assistência no hospital.

“O médico mandou pra casa e está aí o resultado, a criança morreu em casa. Nada é resolvido no hospital, a gente leva e é mandado para casa. Por que não deu o encaminhamento para gente ir para Rio Branco, mas nada fez”, acusa.

Para a família, houve negligência do médico que liberou a criança do hospital.

“Se tivesse dado mais atenção para ela não tinha acontecido, porque o médico nem avaliou ela. A menina estava com falta de ar e nem examinou ela, só passou a receita e mandou para casa. Disseram que não era Covid, pedi um exame e não fizeram”, criticou a avó.

A reportagem tentou contato com o médico que atendeu a criança, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem. Já a direção clínica e de assistência da unidade de saúde disse que teve conhecimento da morte do bebê e que vai apurar a situação no decorrer da semana que vem.

Por Aline Nascimento, G1 Acre