O governo do Estado enviou um ofício ao ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, com um pedido de apoio para o reforço de profissionais de saúde no Acre devido ao agravamento da pandemia de covid-19.

Recentemente, ocorreu a inauguração do primeiro hospital de campanha do Acre exclusivo para tratamento de covid-19, com capacidade para 100 novos leitos, estando prevista a inauguração do segundo até o final do corrente mês, em Cruzeiro do Sul.

Ainda assim, mesmo com todos os esforços tomados, ainda há um grande déficit de profissionais de saúde, sendo este um dos maiores gargalos para a efetivação das ações relacionadas ao novo coronavírus.

Para se ter uma ideia da dimensão do problema, em todo o Acre, há aproximadamente 500 profissionais de saúde afastados por suspeita ou confirmação de covid-19, além de mais 100 que estão fora de suas atividades por integrarem o grupo de maior risco de mortalidade pelo coronavírus.

Junto a sua própria população, o Acre, por ser uma região de tríplice fronteira, tem historicamente dado atendimento de saúde a diversos imigrantes. E mesmo com as fronteiras atualmente fechadas, 400 imigrantes estão retidos ainda na fronteira do Peru, precisando de atendimentos médicos e alimentação.

Soma-se essa população ainda aos municípios e distritos de fronteira com os estados de Rondônia e Amazonas, e o atendimento médico especial necessário a população indígena do estado dividida em 16 etnias, além da atenção diferenciada aos municípios de difícil acesso, onde só é possível chegar de avião ou de barco.

Governo tenta contratações

Já se preparando para os efeitos da pandemia a longo prazo, o governo do Estado realizou na segunda quinzena do mês de março, a contratação emergencial de profissionais de saúde para abertura dos dez primeiros leitos de UTI do Pronto Socorro, na capital.

No mês seguinte, foi realizada uma convocação extraordinária de profissionais aprovados em processo seletivo simplificado do ano de 2019. Assim, foram contratados 253 profissionais de saúde, prioritariamente para Rio Branco, onde haviam vagas disponíveis previstas no processo seletivo e, portanto, sem o atendimento aos demais municípios, representando ainda um número pequeno de servidores frente a demanda causada pela pandemia por todo o estado.

No mês de maio foi lançado o Edital de Chamamento Público para contratação de profissionais de saúde com e sem CRM. No entanto, foi possível contratar apenas dois médicos com CRM e, logo em seguida, o certame foi suspenso por uma decisão judicial que proibiu a contratação de médicos sem CRM.

Com o cenário atual, mesmo as contratações realizadas nos últimos meses não resultaram no número de profissionais necessários para atender as necessidades das unidades de saúde ante o avanço da pandemia, que tem ocorrido de maneira rápida e dinâmica, atingindo todos os municípios do estado.