Dois irmãos, de 16 e 17 anos, foram apreendidos e os pais deles presos pelo estupro e tortura de uma adolescente de 15 anos. O caso ocorreu na zona rural do município de Acrelândia, no interior de Acre. Segundo a polícia, a vítima foi amarrada na cama e vendada enquanto os dois irmãos abusaram dela no início do mês.

Ainda segundo a policia, ela e o menor de 17 anos eram namorados e estavam morando juntos na casa dos pais dele. O menor confessou o crime, mas negou a participação do irmão de 16 anos.

A Polícia Civil do Acre informou também que prendeu os pais dos jovens porque eles estavam na casa, ouviram os gritos de socorro da menor e não fizeram nada no dia para ajudar.

A prisão ocorreu no final da tarde desta quinta-feira (18). A polícia cumpriu dois mandados de internação contra os menores e dois de prisão contra o casal.

Os irmãos vão ser encaminhados para um centro socioeducativo e o casal para o presídio em Rio Branco.

Estupro e tortura

O delegado responsável pelo caso, Samuel Mendes, explicou que a polícia foi procurada semana passada pela família da vítima. De acordo com as investigações, a adolescente morava há cerca de um mês na casa do namorado quando o crime ocorreu.

“Ela foi para morar com ele, na casa dos pais dele. Eles tinham uma dificuldade de ter relações [sexuais]. Como ela rejeitava ele, não conseguia, ele amarrou ela na cama, amarraram as mãos dela e ainda cobriram a cabeça dela com um lençol”, afirmou.

No dia seguinte ao abuso, o adolescente de 17 anos teria pedido algo para a vítima, ela falou que não faria e ele bateu na adolescente.

“Ela [vítima] falou que os pais dele [namorado] estavam no local, gritou bastante que até um vizinho escutou, mas os pais nada fizeram. Depois do fato, a família resolveu devolver a menina para os pais dela. A mãe dela viu ela lesionada e falou que estava com dificuldade para urinar, que sangrava”, destacou Mendes.

O delegado disse ainda que a menina foi submetida a exames de corpo de delito, que comprovaram os abusos, e mostraram que ela estava com marcas das amarras nos pulsos.

O delegado ressaltou que os menores vão responder por estupro e tortura. Já os pais devem responder apenas por estupro.

“Tinham marcas nela ainda. Ele confessou, mas negou a participação do irmão. São de uma família de trabalhadores rurais, não têm passagem pela polícia, sem envolvimento com facções criminosas”, concluiu.

Por Aline Nascimento, G1 Acre