Dentre tantas metas a serem cumpridas, o Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), através do Núcleo Socioambiental Permanente (NUSAP), atingiu a segunda colocação no desempenho de ações socioambientais, no Prêmio CNJ de Qualidade 2019.

O prêmio, que surgiu ano passado, em substituição ao Selo Justiça em Números, tem a finalidade de reconhecer e destacar o esforço institucional dos órgãos do Judiciário em melhorar o serviço prestado pela Justiça, a partir da busca por dados, boa gestão e transparência. Vários indicadores são avaliados ao longo do ano, entre eles, a questão socioambiental. O regulamento do novo prêmio foi instituído pela Portaria CNJ nº 88/2020. A previsão é que o resultado final, abrangendo toda a gestão, seja divulgado entre outubro e novembro.

Dentre os tribunais, o melhor desempenho foi no TJ de Roraima, com 60,3%, e, em seguida, o TJAC, que saiu de 58º lugar, que ocupava em 2018, para a segunda colocação com 58,9% na atuação. Para a classificação, foi feita uma análise conjunta de dados de consumo de papel, água, esgoto, copos descartáveis e de gastos com telefonia, limpeza e reformas, entre outros.

Com a criação do NUSAP, o TJAC promove várias ações socioambientais no intuito de conscientizar magistrados, servidores e jurisdicionados sobre as causas ambientais. Além de atividades de conscientização, há as de execuções como, por exemplo, a criação da Horta Compartilhada, que neste ano deve ser ampliada com a Horta Medicinal; a Biblioteca Compartilhada; a retirada gradual de copos de descartáveis nas unidades para adesão ao uso de canecas; os coletores de pilhas e baterias, reciclagem para decorações e ainda o início dos serviços no ‘Bosque da Justiça’, localizado na parte posterior da sede do TJAC, onde será utilizado para atividades sustentáveis de educação ambiental, cultura e lazer, entre diversas outras ações.

Alinhamento

Semana passada, a Comissão Gestora do Plano de Logística Sustentável (PLS), se reuniu, por videoconferência, para alinhamento de avaliação de resultados. Na ocasião, a coordenadora do NUSAP, desembargadora Waldirene Cordeiro, destacou o esforço e comprometimento de toda a equipe para o alcance dos resultados.

Segundo ela, as implementações das atividades socioambientais no Poder Judiciário Acreano foram feitas gradualmente para não causarem muito impacto no público interno.

“Além de números e classificação, o resultado representa ações em prol do meio ambiente e quem ganha com isso é toda a sociedade. Gratidão é a palavra de ordem pela equipe que compõe a Comissão Gestora do PLS e ainda pela Presidência do TJAC que nos empenhou nessa missão. Todos trabalharam incansavelmente”, disse.