“Se não fosse o desastre do governo Dilma, jamais haveria o governo Bolsonaro”. Assim começa uma nota publicada pelo presidente nacional do PSDB, o ex-deputado federal Bruno Araújo (de Pernambuco).

Para a direção tucana, a gênese do governo Bolsonaro foi a administração de Dilma Rousseff, e não o processo de impeachment da petista (apoiado pelo PSDB), que desarrumou todo o establishment político –com a chegada de Michel Temer (que era vice-presidente) ao Palácio do Planalto.

No seu texto, publicado na conta do PSDB Nacional no Twitter, Araújo escreve: “O populismo ideológico e irresponsável da petista nos trouxe ao populismo também ideológico e irresponsável do atual governo, mas de sinal trocado. Ambos se irmanam na destruição do país. Ambos até hoje apostam em dividir a população, em jogar brasileiros contra brasileiros”.

Na visão tucana, a polarização se deu porque os brasileiros queriam apenas evitar o retorno do PT ao governo. Na nota, entretanto, o dirigente tucano não explica por que o PSDB não conseguiu se apresentar como alternativa aos brasileiros em 2018, quando o candidato do partido a presidente, Geraldo Alckmin, teve apenas 4,8% dos votos. Hoje, a legenda tem  31 deputados na Câmara e é uma força menor nas disputas políticas em Brasília.

A nota do PSDB é sinuosa, vai e vem em direções que tentam buscar o centro, mas acaba passando uma ideia de ambiguidade. Araújo afirma, por exemplo, que “o caminho do PSDB é a oposição ao governo Bolsonaro”. Ao mesmo tempo, entretanto, diz que “impeachment no meio de uma pandemia é apostar no quanto pior melhor”. É uma crítica ao PT, que decidiu dar apoio ao processo que pode retirar o atual presidente do Palácio do Planalto.

Para o PSDB, apoiar o impeachment “é a velha tática do petismo, que sempre que teve que escolher entre os interesses do país e os seus próprios interesses, ficou com seu projeto de poder”. Por outro lado, a nota afirma que o tucano declara que, mesmo sem apoiar a remoção de Bolsonaro, “isso não significa ser complacente com os desvarios do presidente, com seus ataques às instituições, suas afrontas à democracia e à Constituição”.

LEIA A NOTA DO PSDB

Eis a íntegra da nota de Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB, a respeito da conjuntura atual:

“Se não fosse o desastre do governo Dilma, jamais haveria o governo Bolsonaro. 

“A gestão Dilma foi uma espécie de infecção generalizada da administração pública: estelionato eleitoral, caos administrativo, caos político, inépcia econômica, volta da inflação, volta do desemprego, aumento dos índices de pobreza e miséria, além das estocagens de vento.

“Um processo em espiral que levou o país ao descrédito e exigiu prontas respostas institucionais – sempre dentro dos estritos limites da Constituição e do Estado democrático de direito.

“A ex-presidente, cujo governo assemelha-se a uma ruína como poucas vezes vista no país, tenta reescrever a história. Mas o que os fatos comprovam é que o desastre atual deve muito ao legado de Dilma e do PT.

“O populismo ideológico e irresponsável da petista nos trouxe ao populismo também ideológico e irresponsável do atual governo, mas de sinal trocado. Ambos se irmanam na destruição do país. Ambos até hoje apostam em dividir a população, em jogar brasileiros contra brasileiros.

“Uns e outros poucos se importam em encontrar soluções que tenham como objetivo o melhor para o povo.

“Em resumo, Dilma quebrou o Brasil e milhões elegeram Bolsonaro porque não queriam o risco de algo parecido com o seu governo. Tiveram seus receios e correram para outra opção, por pior que fosse. Disseram não ao PT!

“O PSDB disputou a eleição contra o PT e contra Bolsonaro. O PSDB não é PT e não é Bolsonaro. O PSDB continua tendo sua própria história, da qual se orgulha – e nela se inclui, por exemplo, ter liderado a oposição e o impeachment de Dilma Rousseff.

“O caminho do PSDB é a oposição ao governo Bolsonaro, distante dos extremos. Mas não nos enganemos: bolsonarismo e petismo tentarão manter a polarização inconsequente a todo custo. Para eles, dane-se o país.

“Ao PSDB, ao contrário, sempre nos caberá buscar apresentar soluções para as crises instaladas, buscar respostas que visem um único e singelo objetivo: melhorar a vida das pessoas.

“Impeachment no meio de uma pandemia é apostar no quanto pior melhor.  É arriscar a vida das pessoas, levando-as para as ruas pelo impeachment, no momento da maior crise sanitária da nossa história.

“É a velha tática do petismo, que sempre que teve que escolher entre os interesses do país e os seus próprios interesses, ficou com seu projeto de poder.

“Se, neste momento, o impeachment não é a melhor saída – e não é mesmo – isso não significa ser complacente com os desvarios do presidente, com seus ataques às instituições, suas afrontas à democracia e à Constituição.

“Sempre que Jair Bolsonaro transpuser os limites da civilidade, da lei e da ordem, o PSDB estará pronto para cerrar fileiras junto àqueles que, de forma responsável, zelam por fazer cumprir a Constituição”. Bruno Araújo, Presidente Nacional do PSDB. Fonte: Poder 360