Em um mês, cinco tentativas de fugas foram registradas no Complexo Prisional Francisco D’Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco. O último flagra ocorreu nesse sábado (30), quando um grupo de sete detentos foi flagrado tentando cavar um buraco na parede da cela 8, do pavilhão “O”.

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen) informou que os policiais penais ouviram um barulho e durante uma revista encontraram o início do buraco da parede, duas barras de ferro e duas ‘terezas’, cordas feitas com lençol e roupa.

O Iapen informou que o local foi isolado para reparos e os detentos foram transferidos para outra cela. Eles devem responder a processo administrativo disciplinar.

O diretor-presidente do Iapen, Arlenilson Cunha, disse que desde que as visitas foram suspensas devido a pandemia do novo coronavírus, e a mudança da rotina dentro do presídio, houve aumento nas tentativas de fuga.

“Tem aumentado esse número de tentativa de fuga de forma considerável por conta que tivemos que reajustar todos os procedimentos da nossa rotina, devido à suspensão das visitas e consequentemente isso cria um ambiente comprimido. Isso pode ser um dos motivos das tentativas de fuga”, disse.

Para coibir esse tipo de prática, Cunha disse que foram intensificadas as vistorias dentro das celas.

“Temos intensificado, com o apoio do Gpoe, em todos os pavilhões e também na parte externa e com o apoio de duas patrulhas externas da Polícia Militar. Entendendo que a gente está tendo muita tentativa de fuga, então a gente tem intensificado as revistas no interior das celas durante toda a semana de forma preventiva, tanto que a gente tem conseguido se antecipar às tentativas”, pontuou.

Por Alcinete Gadelha, G1 Acre