Assessoria – Como parte do planejamento estratégico de 2020 elaborado pela Polícia Civil do Acre com foco no enfrentamento à criminalidade e à violência, diversos mandados de prisão têm sido cumpridos no intuito de desarticular grupos criminosos no estado.

Nos últimos dez dias, sob a coordenação dos departamentos de Inteligência (DI) e de Polícia da Capital e do Interior (DPCI), 40 pessoas foram presas no Acre. As ações tiveram início em 23 de maio, quando policiais civis cumpriram 12 mandados de prisão de pessoas envolvidas com organizações criminosas.

Em Rio Branco, as prisões ocorreram nos bairros Calafate, Conquista, Jorge Lavocat e Dom Giocondo. Foram realizadas prisões também nas cidades de Cruzeiro do Sul e Plácido de Castro, interior do Acre.

Na ação, mandados de prisão foram cumpridos no Complexo Prisional Francisco D’Oliveira Conde (CP-FOC) e também na unidade prisional de Cruzeiro do Sul. Esses em desfavor de membros de organizações criminosas, considerados de alta periculosidade com posição de liderança dentro dos grupos criminosos e que estavam prestes a ganhar a liberdade, determinando assim que essas pessoas permaneçam mais tempo nos presídios do estado.

Na quarta-feira, 27 de maio, mais seis mandados de prisão contra pessoas consideradas de alta periculosidade foram cumpridos em Rio Branco. As ordens judiciais foram com sentença definitiva por crimes como roubo e estupro.

Já na sexta-feira, 29, foram realizadas operações na região da fronteira do Acre com a Bolívia, em Rio Branco, Tarauacá e Cruzeiro do Sul, resultando na prisão de nove pessoas por força de ordem judicial. As ações foram coordenadas pelos delegados Sérgio Lopes (Brasileia), Alexnaldo Batista (Cruzeiro do Sul) e Valdinei Soares (Tarauacá), sob a supervisão do DI e DPCI.

Competiu ao Núcleo Especializado em Capturas da Polícia Civil (Necap/PC) o cumprimento de outros 13 mandados de prisões em Rio Branco. Destaque para a prisão de A.R.S.S., integrante de organização criminosa e que estava foragido desde a deflagração da operação Sinapse, que teve como objetivo desarticular células criminosas no estado.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil do Acre, José Henrique Ferreira, a Polícia Judiciária estadual está empenhada no combate à criminalidade e na manutenção da paz social. “Estamos passando por um momento difícil por conta da pandemia, mesmo assim não recuamos um só momento e mantivemos nossas atribuições. Diariamente estamos detendo autores dos mais diversos crimes, apreendendo drogas e capturando foragidos da Justiça. Essa é a resposta do Estado para aqueles que insistem em viver à margem da sociedade”, destacou o delegado-geral.