O Pré-candidato a prefeito de Epitaciolândia, Everton Soares (PSL) se envolveu em mais uma polêmica nas redes sociais ao defender o autoritarismo como forma de governar o município. Acredita-se que se porventura Everton chegar ao poder irá administrar com mão de ferro.

Everton é o mesmo que defendeu em grupo fechado “SOS Epitaciolândia” que a população deveria pagar as dívidas do município ainda que fosse parcelada aos pobres. O que gerou muita revolta em meio aos epitaciolandenses.

Tudo leva a crer que a lição anterior de nada serviu. Everton continua com sua exposição prematura de político amador em WhatsApp, achando que o povo é seu subordinado, para querer tratar com arrogância e prepotência. 

Com pensamento de tirano, Everton pretende chegar ao poder para usufruir do espaço público como se fosse privado. Abusando do poder e passando a ter o significado de opressor e cruel, diante dos munícipes.

Áudio: Everton Soares dando seu ponto de vista de como ser um grande líder

Mas, um outro integrante do grupo, o taxista Galvão (que é Coordenador do programa de Aquisição de Alimentos – PAA, em Brasileia), discordou do postura de Everton afirmando que Everton estava enganado na sua colocação, pois um grande líder incentiva a desenvolver e não humilha, acrescentando que quem humilha não lidera a nada. 

Ouça abaixo o áudio do taxista Galvão

E diante do posicionamento do taxista Galvão (que defendeu o respeito com o próximo) , Everton o respondeu (querendo dar sustentabilidade a sua postura tirana, afirmando que diante do que Galvão falou, ele tem que ser autônomo a vida toda:

“Tem gente que não nasceu para ser funcionários, morre na peia, morre fudido, quebrado, morre passando fome, mas é assim mesmo, mas aquele que necessita, ele tem que fazer da forma que o cara ta pedindo ou ta fora. É assim que funciona o negócio!! Manda quem pode e obedece quem tem juízo, rapaz”, disse Everton.

Áudio: Everton Soares respondendo o taxista Galvão

Fala como esta de Everton, mostra como poderá ser uma gestão do jovem rapaz, caso seja vindouro sua eleição, a mesma forma que é tratado seus funcionários no empreendimento que existe na cidade, onde só trabalha lá quem realmente precisa, por que o sistema é bruto, assim Éverton quer fazer com o povo.

“Povo é muito vitimizado. Muito vitimizado, principalmente na política. Para o cara ser um grande líder (se referindo a ele), o povo precisa temê-lo mesmo! O povo só respeita o que teme rapaz!”, destacou o pré-candidato pelo PSL.

Na comparação do discurso politicamente correto do jornal e a possível prática em um eventual governo, não resta dúvida que não haverá espaço para a democracia (diálogo e cuidado do povo) e uma iminente traição ao povo hospitaleiro que será rechaçado. E por fim, nem precisa comentar a “imagem e semelhança.”