Segundo a ex-assessora desde que acabou a última legislatura em fevereiro de 2019, os pagamentos de rescisões que os nomeados teriam direito vem sendo pago de forma seletiva.

Uma mulher de 44 anos que pediu para não se identificar, afirma que foi assessora parlamentar de um deputado estadual. Ela procurou a redação do site 3 de Julho e fez duras críticas contra a mesa diretora da Assembleia Legislativa do

Acre, que segundo ela faz pouco caso de uma dívida que deveria ter sido paga.
Segundo relato, essa questão do pagamento não depende dos deputados e sim de ato da mesa diretora, que de acordo com a denúncia feita paga uns e outros não.

“Só pagam dos chegados, eles dizem que não tem recursos para sanar essa dívida, mas conheço diversas pessoas que já receberam, até mesmo gente que continuou em gabinetes de novos deputados”, desabafa.

Ainda de acordo com a ex-assessora, ela já foi diversas vezes ao departamento de Pessoal da Casa, mas sempre a resposta é a mesma, que não tem uma previsão certa.

Nossa redação tentou contato com o presidente Nicolau Júnior para esclarecimentos, mas até o fechamento desta matéria não obtivemos retorno.