A deputada federal, Mara Rocha (PSDB), após se omitir e não apresentar soluções ou sugestões para ajudar o Acre a enfrentar a pandemia do coronavírus, assim como o seu irmão Major Rocha (vice-governador do estado) vem fazendo, resolveu dar pitaco nas medidas adotadas pelo governo e prefeitura para o combate da doença (Pandemia).

Devido o aumento dos casos de Covid-19 no Acre e sobretudo em Rio Branco, as medidas de combate ao novo Coronavírus ficaram mais intensas tanto por parte do Governo do Estado como também por parte da prefeita Socorro Neri. O que resultou no decreto que institui em caráter excepcional e temporário, o rodízio de veículos.

Com a estimativa de limitar em 50% a frota de veículos, o objetivo da norma é forçar a diminuição de pessoas em locais e vias públicas e fortalecer o isolamento social, uma das principais medidas para barrar a proliferação do vírus.

Mas Mara Rocha não se agradou da medida e resolveu ser do contra, assim como vem fazendo outros parlamentares acreanos, e entrou com uma ação popular na Justiça do Acre pedindo a suspensão do rodízio de veículos em Rio Branco alegando que a medida é ilegal e que precisa de embasamento científico sobre o resultado final que se pretende atingir.

Segundo a parlamentar, não há lei definindo o decreto regulamentador e a Prefeitura não acompanhou a medida com estudos, dados, informações e demais subsídios que dão suporte à medida. 

A prefeita Socorro Neri e o governador Gladson Cameli têm feito grandes esforços para para proteger a população desta pandemia. Quanto a ausência da lei que Mara Rocha cita, vale destacar que o Município de Rio Branco está sob situação de emergência e estado de calamidade pública, o que torna viável as medidas tomadas pelo poder público diante das situações, embora que não agrade alguns parlamentares.

Esta é a hora de a deputada Federal Mara Rocha deixar a prefeita Socorro Neri e Gladson Cameli trabalhar e contribuir para que o estado consiga se recuperar com menos danos possíveis, a começar destinando emenda para a saúde, pois até agora a parlamentar falou muito e fez pouco.