Desde que o isolamento social foi adotado no Acre alguns políticos insistem em fazer politicagem com as determinações e decretos do governo do estado e da prefeitura de Rio Branco, estes que estão lutando para conter o avanço do COVID-19 na Capital Rio Branco.

Um dos que mais vêm questionando as medidas adotadas pela prefeitura de Rio Branco, o vereador João Marcos Luz (MDB) tenta criar um fato toda semana, na busca de holofotes e por isso tem recebido tantas críticas da população nas redes sociais.

Por último o vereador questionou o decreto que estabelece rodízio de veículos na capital acreana, este entrará em vigor na segunda-feira (18) e tem como objetivo diminuir o fluxo e aglomeração de pessoas.

O Parlamentar convocou uma carreata para esta segunda-feira com concentração de frente a prefeitura, segundo ele para protestar contra a medida do rodízio de veículos.

Na postagem em sua rede social, o vereador recebeu inúmeras críticas, uma comprovação de que as pessoas compreenderam o objetivo da prefeitura e do governo, que é fortalecer as medidas de isolamento.

Se assessoria do vereador João Marcos interpretasse o decreto, iria aconselhar ele a apoiar, pois a medida pretende tirar das ruas aqueles que não tem necessidades essenciais e que ainda não perderam a mania de andar e circular sem grandes necessidades.

Por meio do Decreto Municipal nº 310, fica estabelecido entre os dias 18 e 31 de maio, o rodízio de veículos no perímetro urbano de Rio Branco. Automóveis com dígitos finais de placas ímpares só poderão circular em dias ímpares e veículos com dígitos finais de placas pares estão autorizados a trafegar em dias pares. A restrição é de 24 horas e inclui sábados, domingos e feriados.

O decreto estabelece ainda os casos que não sofrerão com as restrições de tráfego. Entre eles, veículos de transporte coletivo e de lotação (devidamente autorizados); veículos de transporte individual de passageiros (com autorização); motocicletas e similares destinados a entrega em domicílio; guinchos; veículos destinados a socorro de incêndio e salvamento; viaturas policiais e de fiscalização e operação de trânsito; ambulâncias; automóveis utilizados por membros dos poderes Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas, no exercício de suas funções; entre outras situações.

O mesmo vale para profissionais da saúde, profissionais de enfermagem, técnicos ou tecnólogos da saúde, médicos veterinários, fisioterapeutas, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos, patologistas, dentistas, pesquisadores da área da saúde, agentes que executam serviços administrativos, guarda, segurança, vigilância, manutenção e limpeza de estabelecimentos hospitalares, de assistência médica e laboratoriais.

Servidores que exerçam atividade de segurança pública e fiscalização administrativa, tais como policial militar, policial civil, policial federal, agentes do sistema penitenciário, agentes socioeducativos, agentes da polícia técnico-científica, agentes fiscais das fazendas federais, estaduais e municipais, fiscais urbanísticos; entre outras situações.

Separamos alguns dos principais comentários de internautas na publicação do vereador, veja;