Juiz apresentou o programa aos líderes religiosos do município e obteve uma sinalização positiva unânime – Foto: Thanmara Gonçalves

A Prefeitura Municipal de Assis Brasil, participou, na manhã de ontem (11), de uma reunião organizada pelo Juiz da Comarca de Assis Brasil, Alex Oivane, que contou com a participação do prefeito Antônio Barbosa (Zum), do vice-prefeito, José Nascimento (Zé do Posto), da presidente da Câmara, Cláudia Gonçalves e mais 06 vereadores do município.

Partindo da premissa que toda criança e adolescente tem direito à convivência familiar e comunitária, o programa busca criar uma consciência solidária e expor a necessidade de amparo afetivo a essas crianças e adolescentes acolhidos em instituições do estado.

Não se trata de uma substituição familiar, e sim, de uma ferramenta para aqueles que vivem em abrigos, em situação de acolhimento, por conta de diversos fatores, como pais dependentes químicos, violência entre outros. A ideia é que possam vivenciar, fora do ambiente institucional, a essência de uma lar, com acesso à cultura, esporte, saúde, educação e afeto.

De acordo com o Juiz Alex Oivane, o programa de apadrinhamento é uma ação, que tira do papel, projetos pensados para a melhoria de vida e segurança da criança e do adolescente. “Consiste em dar operacionalidade às leis que os protegem, destacando o principio da garantia da convivência familiar e comunitária destes”, argumenta.

Líderes religiosos, Prefeito Municipal e Juiz de Assis Brasil – Foto: Thanmara Gonçalves

O programa funciona baseado em três tipos de apadrinhamento. Padrinho afetivo, aquele que visita regularmente a criança ou adolescente, buscando-o para passar final de semana, feriados ou férias escolares em sua companhia.

Padrinho prestador de serviços, consiste no profissional liberal que se cadastra para atender às crianças e aos adolescentes participantes do projeto, conforme sua especialidade de trabalho ou habilidade. E por último, padrinho provedor, aquele que dá suporte material ou financeiro à criança e ao adolescente.

No dia 28 de abril, o Juiz apresentou o programa aos líderes religiosos do município e obteve uma sinalização positiva unânime. Alguns líderes já tinham tido a experiência de cuidar de uma criança em risco de vulnerabilidade.

O Conselho Tutelar também esteve com o Juiz em uma reunião, que teve o mesmo objetivo. Os cidadãos interessados no programa poderão procurar o fórum de sua cidade e conversar com o setor de psicologia e serviço social, ou até mesmo o setor administrativo.

Conselho Tutelar Municipal de Assis Brasil – Foto: Thanmara Gonçalves