Uma equipe da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) realizou nesta sexta-feira, 8, uma missão para levar a famílias rurais lideradas por mulheres do Projeto de Assentamento Barro Alto, área rural de Rio Branco, os benefícios do crédito Pronaf Mulher.

A ação contou ainda com a parceria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Secretaria de Produção e Agronegócio (Sepa). Foram beneficiadas 11 famílias produtoras, de um total de 500 em todo o estado que receberão não apenas o Pronaf Mulher, mas também o Crédito Instalação e Fomento.

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, por meio do Pronaf Mulher, objetiva oferecer financiamento à mulher agricultora integrante de unidade familiar de produção enquadrada no Pronaf.

Mesmo em tempos de pandemia, a ação é considerada de extrema importância por levar crédito de até R$ 5 mil para cada família beneficiada, o que pode ajudar bastante em tempos de crise em que até escoar a produção tem sido um grande desafio.

A ação que já exigiria uma logística desafiadora em tempos normais, agora incorporou por parte dos técnicos presentes todas as novas medidas necessárias durante a pandemia, respeitando o distanciamento social e com distribuição de máscaras, contribuindo para que as mulheres do campo tenham mais autonomia na soma da renda familiar.

Durante o ato de assinatura no Projeto de Assentamento, o presidente da Emater, Valtim José, enfatizou a importância do acesso a essa linha de crédito e firmou o compromisso de apoio e assistência técnica para melhorar a produção da agricultura familiar, visando geração de renda, melhoria do uso da mão de obra familiar e o fortalecimento do agronegócio que é um dos principais programas do Plano de Governo do governador Gladson Cameli.

“Serão recursos muito bem-vindos para essa comunidade em um momento delicado que estamos vivendo de pandemia. É mais uma oportunidade de conforto para essas famílias, autonomia dessas mulheres e uma prova de que o setor rural não para mesmo nas maiores adversidades, pois é dele que vem o alimento da nossa população. O governo não vai deixar a produção parar”, conta Valtim José.