Uma ação de governo com peso social e econômico, num momento que o poder público precisa dar respostas para assistência em saúde em tempos de pandemia e ao mesmo tempo promover uma injeção de ânimo na economia local, com investimento de R$ 2,9 milhões.

A assinatura do contrato teve como testemunha de honra a prefeita Socorro Nery. O ponto de partida para início da obra também foi acompanhada pelo chefe da Casa Civil, José Ribamar Trindade, secretário de Infraestrutura, Ítalo César de Medeiros, e o engenheiro civil, Alex Vinicius Aquino, representante da empresa Borges, encarregada pela execução dos serviços.

A estrutura deverá ser levantada em 30 dias, possibilitando o aumento do número de leitos para pacientes em enfermaria, dotada com rede de gases, refrigeração, exaustão e toda estrutura necessária para que funcione como hospital.

O governador Gladson Cameli destacou otimismo em relação ao Estado proporcionar aumento na estrutura com mais seis leitos, com perspectivas de ajustes para melhorar cada vez mais a estrutura, inclusive conforme as necessidades médicas, podendo ser incluído ainda pequenos centros cirúrgicos.

Também, segundo o governador, bons prognósticos em investimentos na economia local, como resposta imediata aos anseios de diversos segmentos do setor produtivo que enfrentam momento delicado por conta da quarentena.

“Um alento com investimentos que garantam o atendimento à saúde, e esperanças também para o comércio local, pois o contrato regulamenta que apenas 10% das compras sejam feitas de fora, por se tratar de materiais médicos hospitalares”, completou Cameli.

A solução técnica adotada no edital de chamamento especificou que ficaria a cargo das empresas, que apresentariam nas propostas quais investimentos conseguiriam executar em 30 dias, e a empresa Borges conseguiu apresentar uma proposta em caráter mais definitivo, conforme esclareceu o secretário de Infraestrutura, Ítalo Medeiros.

“A proposta vencedora se propôs a priorizar o tempo hábil, utilizando a construção em módulos, agilizando assim o tempo, que é a grande prioridade do governo no momento, destacou o secretário de Infraestrutura.

O engenheiro representante da empresa Borges esclareceu que o projeto foi elaborado priorizando o envolvimento da economia local, com 90% dos insumos e materiais a serem adquiridos no comércio acreano, como forma de fazer girar a circulação dos recursos.

“Esse foi o grande desafio: adaptar o projeto com o máximo que pudesse ser adquirido no Estado, priorizando parceiros locais, comércio local, economia local e uma perspectiva de 90 a 100 pessoas trabalhando diretamente na obra, fora as empresas terceirizadas, como por exemplo as de locação de equipamentos e que fornecem alimentação”, lembrou Alex Vinicius.

A prefeita Socorro Nery se disse honrada em prestigiar o ponto de partida para início de uma obra que beneficia a população de Rio Branco e consequentemente o Estado como um todo e se colocou à disposição para a parceira que só tende a trazer frutos positivos para os acreanos.

“O mais importante é somar esforços para que a população seja bem atendida”, defendeu Socorro Nery.