As investigações que apuram as causas do acidente envolvendo um caminhão baú e o helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) do governo do Acre, comandadas pelo Ministério Público do Acre (MP-AC), ainda estão em andamento. O acidente ocorreu na BR-364, no dia 18 de janeiro deste ano.

A promotora Patrícia Paula dos Santos, responsável pelas investigações, informou que o órgão já ouviu sete pessoas, aguarda uma perícia técnica que foi feita no local do acidente e ainda vai ouvir mais seis pessoas.

“Esse procedimento que é um inquérito Civil, ele tem um prazo de um ano para finalizar. Nós já estamos bem adiantados com o procedimento. O que ocorre é que aconteceu essa pandemia e a gente não pôde continuar ouvindo. Inclusive, na semana nós iríamos ouvir mais três pessoas”, informou a promotora.

Além disso, a promotora ainda aguarda resposta do governo do estado sobre solicitações de informações feitas em relação à ocorrência. Ela ressalta que os depoimentos precisaram ser suspensos por causa da pandemia do novo coronavírus.

“Então, o inquérito caminha bem. Ele é nossa prioridade, tendo em vista que o Acre tem bastante áreas isoladas que necessitam do helicóptero para salvar vidas e essa é nossa preocupação, principalmente, em um momento como esse”, disse a promotora.

Dos sete que já foram ouvidos, estão os três integrantes do caminhão e outros quatro da tripulação do helicóptero.

“Está nas nossas metas, acredito que assim que a gente voltar [do isolamento social], na primeira semana vou intimá-los novamente. Eles já iam ser ouvidos, mas informei a eles que seriam ouvidos em outra oportunidade”, explicou.

A promotora explicou que vai dar um despacho no processo, dizendo o que está faltando. Assim que reunir essas três provas, vai ser possível ter uma avaliação do que aconteceu.

Investigações do Seripa

As investigações do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), órgão ligado ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), também não foram concluídas conforme informações da assessoria de comunicação.

O órgão disse que as investigações que apuram as causas do acidente, quando forem concluídas, vão ser divulgadas no site da instituição, informou.

A assessoria ainda acrescentou que não existe um prazo limite para concluir as investigações e que o objetivo é que ela ocorra no menor prazo possível. Por Alcinete Gadelha, G1 Acre