Cristian da Silva Sales e Manoel de Jesus Leite, filho e cunhado do deputado Manoel Moraes (PSB-AC), respectivamente, tiveram uma liminar de habeas corpus negada, na noite dessa sexta-feira (10), pelo desembargador Pedro Ranzi, do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC).

Os dois são alvos da Operação Mitocôndrias, da Polícia Civil, deflagrada na última quinta (9), que investiga o desvio de recursos da merenda escolar no Acre. De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Alcino Júnior, os dois seguem foragidos.

Ao todo, foram cumpridos sete mandados de prisão temporária e 20 de busca e apreensão nas sedes de quatro empresas na capital, Tarauacá e Xapuri, além dos depósitos de merenda escolar da Secretaria de Educação em Rio Branco, Tarauacá, Sena Madureira e Cruzeiro do Sul.

Cinco pessoas foram presas, entre elas um sobrinho do deputado Manoel Moraes. Segundo a polícia, empresários e servidores públicos atuavam em “conluio” para garantir o desvio de recursos da merenda escolar no estado.

Três suspeitos soltos

Ainda na noite de quinta (9), três dos alvos foram soltos após pedido do delegado responsável pela operação. De acordo com Júnior, eles colaboraram e não representavam mais risco para a investigação e coleta de provas.

Entre os suspeitos que foram soltos estão dois funcionários do setor de merenda e um empresário. Os dois que seguem presos também tiveram habeas corpus negado.

“Os três informaram as coisas que a gente precisava, as buscas foram feitas e foram coletados os materiais que a gente pretendia. Então, não vi necessidade de mantê-los presos. Continuam presos a ex-chefe da merenda escolar e o sobrinho do deputado. O filho e o cunhado ainda estão foragidos e não houve qualquer contato dos advogados no sentido de apresentar os foragidos”, afirmou o delegado. Por Iryá Rodrigues, G1 Acre