O Educandário Santa Margarida, em Rio Branco, é uma das instituições afetadas financeiramente com a pandemia do novo coronarívus. Com 36 crianças instaladas, o local precisa de doações de vários itens para manter os pequenos.

A instituição abriga crianças de 0 a 12 anos. Porém, a coordenação afirma que no momento há mais crianças no berçário.

Com o isolamento social, o coordenador de Planejamento do Educandário, Eduardo Vieira, disse que os doadores simplesmente desapareceram. O local precisa de alimentos, produtos de limpeza e higiene pessoal para as crianças, roupas e outras coisas.

“Precisamos, principalmente, de produtos de limpeza pessoal para as crianças do berçário, que incluem lavandas, shampoo, lenço umedecido, sabonete líquido e outros. As doações desapareceram na pandemia, por isso chegamos nesse ponto”, frisou.

Vieira disse que os servidores da instituição são pagos pelo Estado e a Prefeitura de Rio Branco. Segundo ele, houve um atraso no pagamento no início do ano, mas que já foi normalizado. O salário dos servidores deve ser pago nos próximos dias.

“Houve um atraso na renovação do convênio, que é feito anualmente, o juízo determinou um adiantamento dos valores e o Estado foi obrigado a transferir. Assim, conseguimos manter o salário nos dois primeiros meses do ano. O próximo está dentro do prazo”, explicou.

Com o risco de infecção pelo coronavírus, o coordenador disse que foram suspensas todas as atividades e visitas.

“Essas semanas que antecedem a Páscoa sempre tem muita atividade com as crianças e voluntários, mas tivemos que suspender até a visita familiar”, disse.

Motorista vai buscar doação
O fato de não poder sair de casa não é problema para o educandário não receber as doações. Vieira disse que a pessoa pode solicitar que o motorista da instituição busque a doação na casa dela.

“A pessoa liga, a gente agenda, e o motorista vai buscar. Algumas pessoas têm ido levar, outras não. Algumas pessoas já começaram a doar na quinta-feira [2]”, finalizou. Do G1 Ac.