Enquanto a obra avança, uma equipe especializada em consultoria para implantação deste tipo empreendimento encontra-se na cidade trabalhando junto com a equipe do município na preparação da logística, comunicação visual e modelo de gestão.

“A Ponto de Referência, do Rio de Janeiro, atua há mais de 20 anos no setor e foi contratada pelo Sebrae, que está trabalhando em parceria com a Prefeitura de Rio Branco na implantação do Shopping Popular”, disse o secretário Municipal de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Econômico (Safra), Paulo Braña.

Em fase de trabalho técnico, a equipe já se reuniu com os arquitetos e engenheiros responsáveis pela obra, na semana que vem estarão visitando os camelôs do Calçadão da Benjamin Constant e do Camelódromo anexo ao Terminal Urbano, que serão a maioria dos lojistas do Shopping.

“Além dos 432 espaços comerciais que serão ocupados por estes comerciantes, também estamos estudando a elaboração do processo licitatório para sete empresas âncoras que irão ocupar espaços no Shopping e para a contratação da empresa que irá ficar responsável pela gestão”, explicou Braña.

Constituindo-se em um dos empreendimentos populares mais importantes de Rio Branco, quando entrar em funcionamento o Shopping Popular poderá gerar até 5 mil postos de trabalho e ocupações produtivas, segundo a previsão dos gestores.

“São empregos diretos, trabalho e renda para estas famílias e oferta de produtos e serviços para a população de Rio Branco, como confecção, eletrônicos, artesanato, alimentação, armarinhos, lotéricas, farmácias, entre outros”, detalhou o secretário.

Além da equipe da Safra, a equipe da Secretaria Municipal de Finanças (Sefin) trabalha na situação fiscal dos lojistas e o pessoal da Secretaria de Obras e Infraestrutura Urbana (Seinfra) trabalha na conclusão da obra com entrega do espaço físico até o final do mês de março. O prédio construído numa área de mais de 12 mil metros quadrados, possui três andares e pode chegar a 500 lojas no total.

Após o término da obra, lembra o secretário, os lojistas terão um período de dois a três meses para preparação das lojas, instalação de mobília entre outras adequações necessárias para abrirem ao público.