Imagem mostra foto do oftalmologista Li Wenliang, que morreu com coronavírus após ser reprimido pela polícia chinesa ao tentar alertar sobre o surto quando ele ainda estava no início. Retrato foi visto entre flores em frente ao Hospital Central de Wuhan, na China. — Foto: STR/ AFP

A morte do médico Li Wenliang – apontado como um dos primeiros a identificar a existência do surto do novo coronavírus, alertar as autoridades, e ser convocado pela polícia pela atitude – provocou uma onda de revolta na população, informou a agência France Presse.

A reação negativa após a morte do médico levou as autoridades do país a anunciarem a abertura de uma investigação. A prefeitura de Wuhan deu pêsames à família.

A epidemia já matou 637 pessoas na China e 1 nas Filipinas. Mais de 31 mil pessoas estão infectadas com o vírus 2019-nCoV.

O doutor Li, de 34 anos, morreu no hospital central de Wuahn, cidade de 11 milhões de habitantes que está isolada do mundo desde 23 de janeiro. O oftalmologista contraiu a doença quando tratava um paciente.

Doença subestimada

O governo da China vem sendo acusado de subestimar a gravidade do vírus no início da proliferação da doença e de tentar mantê-lo em segredo. A morte de Wenliang ilustra a situação caótica dos hospitais de Wuhan, muito saturados.

Um alto funcionário do governo provincial admitiu na quinta-feira que os profissionais da área da saúde não contam com equipamento de proteção contra o vírus.

No início de fevereiro, o governo chinês admitiu falha na resposta à epidemia do novo coronavírus.

A morte de Wenliang trouxe ainda mais a sensação de descaso das autoridades com a população.

As redes sociais foram tomadas por hashtags contra o governo, mas elas logo foram censuradas.

Regime chinês abalado

A morte do médico parece ter provocado estupor no regime.

O presidente Xi Jinping assegurou a Donald Trump que o país é “completamente capaz” de derrotar o coronavírus.

Também pediu ao governo dos Estados Unidos uma reação “de forma razoável” à crise. Washington proíbe a entrada em seu território dos estrangeiros que passam pelo território chinês. No início da semana, a China acusou o país de “propagar o pânico”.

Xi afirmou que a China está travando “uma guerra popular” contra a epidemia, com “mobilização nacional e medidas de prevenção e controle muito estritas”, informou o canal CCTV.

Donald Trump “expressou sua confiança na força e resistência da China para enfrentar o desafio do novo surto de coronavírus” e os dois presidentes “concordaram em continuar a ampla comunicação e cooperação”, indicou a Casa Branca.

Médico convocado pela polícia

Li Wenliang é apontado como um dos primeiros a identificar a existência do surto do novo coronavírus e alertar as autoridades. Ele foi um dos oito médicos que a polícia chinesa investigou sob acusação de “espalhar boatos” relacionados ao surto. O oftalmologista contraiu a doença quando tratava um paciente. Ele era casado e tinha uma filha de cinco anos.

Agora, ele é considerado um herói nacional, ainda mais em comparação com os funcionários do governo local acusado de ocultar o surgimento da epidemia.

“É um herói que fez o alerta e pagou com sua vida”, escreveu um de seus colegas na rede social Weibo.

“Que todos os funcionários que enriquecem com dinheiro público morram debaixo da neve”, afirmou um internauta, em um comentário apagado imediatamente pelos censores. Do G1

Mulher é vista colocando flores em frente ao Hospital Central de Wuhan, onde o médico oftalmologista Li Wenliang morreu com coronavírus; ele chegou a ser investigado pela polícia por ‘espalhar boatos’ quando identificou o coronavírus antes da doença se tornar um surto internacional. — Foto: STR/AFP