Mulher denuncia estupro virtual à polícia no AC e suspeitos são ouvidos em Pernambuco e Minas Gerais — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Após uma vítima do Acre denunciar estupro virtual, um dos suspeitos de praticar o crime pela internet foi ouvido em Pernambuco (PE) e disse à polícia que usava mais de 20 chips de vários estados para entrar em contato com as vítimas. Além disso, o homem falou que utilizava pelo menos sete contas bancárias, segundo informou o delegado Nilton Boscaro, que investiga o caso no estado acreano.

A Polícia Civil deflagrou a Operação Tarquínio, na quarta-feira (22) contra o uso das redes sociais para assediar e chantagear mulheres. Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão nos estados de Pernambuco (PE) e Minas Gerais (MG) e dois suspeitos encaminhados à delegacia, um deles teria relatado como cometia os crimes.

“Após a deflagração da operação, as pessoas foram ouvidas e o alvo principal acabou confessando que comete esse tipo de delito há mais de cinco anos, sendo que no município onde reside ele já fez mais de 38 vítimas. A polícia está especulando que existam pelo menos 100 vítimas em todo o Brasil”, disse Boscaro.

Ainda conforme o delegado, o suspeito agia através das redes sociais, onde inicialmente enviava os convites, as vítimas acabavam aceitando, e ele iniciava uma conversa amigável. Depois ele aplicava o golpe ao conseguir vídeos e imagens íntimas das vítimas e fazer chantagens.

“Ele sempre queria vídeos mais picantes até ele ter um grande aparato e começar a extorquir essas pessoas. Segundo ele mesmo relatou, utilizava mais de 20 chips de números diferentes espalhados pelos estados brasileiros e também tinha mais de sete contas bancárias para a prática criminosa dele”, acrescentou o delegado.

Entenda o caso

A ação da polícia foi deflagrada após uma mulher de Rio Branco denunciar que tinha conhecido um homem pelas redes sociais e, após um tempo conversando com o suspeito, acabou enviando alguns vídeos íntimos e depois começou a ser ameaçada.

A delegada Juliana d’Angelis, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher do Acre (Deam), afirmou que esse tipo de crime tem crescido em todo o país e que muitas outras mulheres também podem ter sido vítimas.

“Essa situação do estupro virtual, infelizmente, é um crime que tem se tornado comum. A vítima procurou a Polícia Civil para dizer que estava sendo ameaçada, coagida a praticar atos libidinosos mediante grave violência. A partir de então, foi instaurado um inquérito policial, todas as medidas foram tomadas, e culminaram nessa ação junto com os estados de Pernambuco e Minas Gerais”, disse Juliana.

Boscaro acrescentou ainda que a vítima do Acre informou à polícia que o fato ocorreu na segunda quinzena de outubro. Após três meses de investigação, a polícia conseguiu chegar aos endereços de onde as mensagens eram enviadas para a mulher. Após investigação, as residências que estariam saindo essas conexões de internet foram localizadas.

Colaborou Hugo Costa, da CBN Amazônia.