O governador Gladson Cameli precisa chamar os seus secretários, diretores de órgãos, dá um murro na mesa e dizer: – no meu governo todos têm que falar a mesma língua. O governo virou um pandemônio de egos na Segurança.

A Associação dos Delegados de Polícia acusa o governo de privilegiar a PM e sucatear as Delegacias da Polícia Civil, onde nem internet tem. Delegado acusa a existência de politicagem nas transferências de profissionais para o interior; dois grupos brigam publicamente dentro do IAPEN, numa feroz troca de acusações por fuga de presos; o secretário de Segurança em exercício, debitou à morosidade do Judiciário a mazela que inflama a violência e leva à impunidade, e por ai vai.

O judiciário rebateu com uma nota dura. Nada contra o vice-governador Major Rocha. Mas o Gladson errou quando apareceu num vídeo na campanha (virou gozação nas redes sociais) entregando a Segurança de porteira fechada ao Rocha, como a pessoa que tinha a bala de prata para acabar com a violência num curto prazo. Não tinha esta bala. Errou porque, a partir deste momento terceirizou a sua autoridade.

Um governador jamais deve abrir mão do poder e nem da autoridade. Comandante forte, exército forte. Comandante fraco, exército fraco. Passou da hora do Gladson Cameli chamar todos os setores da Segurança numa grande reunião, acabar com as trocas de acusações entre os seus órgãos internos, mostrar que é ele quem manda, ou o quadro vai deteriorar.

Veja o Vídeo: