Portal do Rosas – O Governo da Mudança, que fora prometido em campanha por Gladson Cameli para derrotar a Frente Popular, até agora só mudou de verdade alguns nomes e endereços de repartições públicas do Estado, além de logomarcas e logotipos. Um desses casos é o do Huerb, o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco, que teve seu nome alterado para Pronto-socorro de Rio Branco.

Porém, essa novidade não é tão nova assim. É que as marcas utilizadas no novo PS são copiadas da internet. Foi o que constatou o publicitário Allan Kenned, que publicou no Facebook uma foto da fachada do prédio recém-inaugurado por Cameli e da marca original retirada do site freepik.com.

Ao se comprovar a falta de autenticidade da marca “criada” pela equipe de Gladson é inevitável o questionamento de qual teria sido o custo dessa obra de arte do Governo da Mudança. É que, com o novo nome, mudou-se também toda a identidade visual da instituição. O que se leva a crer que uma empresa teria sido contratada para a criação das artes necessárias a um custo de, no mínimo, R$ 120 mil, conforme valores publicados na tabela da Associação dos Desingers Gráficos no Brasil.

Foto: Reprodução facebook.com

Segundo um advogado consultado pelo Portal do Rosas, essa prática da equipe de Gladson não incorre em crime de plágio, já que o site freepik.com disponibiliza a arte publicamente e de forma gratuita. Mas, é possível que os gestores envolvidos sejam enquadrados pelo crime de peculato, caso tenha sido feito algum pagamento pela suposta confecção da marca.

Para o dono de uma agência de publicidade acreana que preferiu não se identificar, o “criador” da marca do novo PS “nem poderia ser chamado de profissional”. Segundo ele, tal prática coloca toda a categoria em descrédito. Sobre os custos, o publicitário afirma não ser barato um trabalho como esse. “Estamos falando de alguns meses de trabalho envolvendo diversos profissionais”.

E completa, lembrando que, se não houve pagamento a uma agência, a situação é pelo menos vexatória pela falta de criatividade da equipe de governo e conivência dos gestores. “Se foi material criado na SECOM, foi necessária a aprovação de diversos gestores, como designer, coordenador, secretária e gabinete do governo ou quem dá a palavra final. Vergonhoso”.

A logo original utilizada para o novo Pronto-socorro pode ser encontrada no link (Clique aqui e veja)

Reprodução freepik.com