Fazendo referência ao caso da demissão de um dos homens de confiança do vice Major Rocha, o diretor do DETRAN Isaías Brito, que deixou o governador Gladson Cameli bravo da vida, após dar declarações contra uma decisão do próprio.

Em outro momento, o jornalista Tião Maia pediu coerência ao governador, que deveria usar a mesma regra para outros os assessores nomeados no governo, que fazem acusações e críticas às mais determinadas ações, quando estas não obtém sucesso desejado.

Na avaliação do jornalista, o governador Gladson Cameli, que foi diligente e ágil para demitir um diretor do Detran que criticou sua decisão de remanejar recursos da autarquia para outro setor, mas quando as críticas e ataques são feitos por outros iluminados, o governador faz vista grossa.

“O governador precisa manter a coerência sob pena de seu governo vir a ser qualificado como uma bagunça mesmo,” frisou Maia.

Tião Maia se refere ao polêmico e atuante militante de rede social Hedislandes Gadelha, que tem nomeação CEC 6; que equivale a 6.720, 00 (seis mil setecentos e vinte) no governo, recebendo seus vencimentos pela secretaria de Estado de Comunicação.

A nomeação de Hedislandes Gadelha no governo foi um dos momentos de maiores desgastes a imagem do governo. Foi um reboliço entre os próprios aliados, estes não conseguiam digerir, como alguém que fazia tanto ataques ao governador durante a campanha, quando apoiava o adversário Marcus Alexandre do PT, entrava em um espaço tão privilegiado, ganhando quase 7 mil reais.

O trabalho do mesmo se resume em divulgar ações do governo, fazer a defesa quando os momentos são de insatisfação popular e até atacar adversários do Palácio Rio Branca, sendo que muitas das vezes os próprios aliados entram na linha de tiro.

Esta semana os deputados Luiz Gonzaga (PSDB) e Fagner Calegário (PL), foram alvos dos ataques em grupos de whatsapp, com acusações graves e muita baixaria, que rendeu boletins de ocorrências para mais de metro.

Depois de Bocalon e Mônica Feres, agora é vez do Comandante da Polícia Militar recém empossado: Ulysses Araújo, ser alvo do governista Hedislandes Gadelha.

Tião Maia se disse surpreso com a narração e divulgação de ataques e crimes de facções, pelo próprio governista, fazendo ironias ao desempenho do coronel Ulysses, veja;

Hoje, domingo (9/12), a despeito de mais um cadáver de jovem ter sido encontrado na cidade, um assessor do governo disparou críticas nas redes sociais contra o comandante da PM, coronel Ulysses. Sob uma fotografia dramática em que aparece o cadáver observado a distância por homens de uma patrulha da PM e uma viatura fechando a rua, o assessor governamental dispara um áudio nas redes sociais: “Maus um corpo estendido no chão…Mas não se preocupem. O comandante da PM tem cursos na Swat”, finalizou.

Mais que uma ironia fina, é um assessor do governo criticando um secretário de Estado nomeado pelo governador.

Se, neste episódio, Gladson der calado como resposta, meter o rabinho entre as pernas como tem feito em episódios semelhantes, é de se crer que o tal assessor em tela sabe de mais coisas entre o céu e a terra do que imagina nossa vã filosofia, disse Tião Maia.

Na tarde da última sexta-feira, 6, o diretor-presidente do Departamento de Estadual de Trânsito do Acre (Detran/AC), Luiz Fernando, exonerou o diretor de Operações da autarquia, Isaías Brito. A demissão foi um pedido expresso do governador Gladson Cameli.

Brito foi exonerado por ter externado sua insatisfação no grupo de whatsapp de servidores do Detran após o governador ter publicado um decreto realocando R$ 6 milhões dos R$ 15 milhões que a autarquia tinha em caixa para os cofres do Estado.

Outro que recebeu as contas por reclamações foi um servidor do DEPASA, ao questionar da direção do órgão melhores condições de trabalho em uma estação de tratamento de Rio Branco.

O governador Gladson Cameli e seu vice Major Rocha, estão em viagem fora do estado. Terão muitos problemas a tratar, em uma semana que promete ser conturbada.