A vida do acreano que recebe um salário mínimo para sustentar sua família não está nada fácil diante das medidas que o governo vem tomando, primeiro com a privatização da eletroacre, no qual o governador Gladson, enquanto senador da república teve papel essencial no processo da privatização da Eletrobrás Acre, ao ser o único membro do estado no Senado a votar favorável à venda da estatal.

Não satisfeito, agora no comando do governo no Acre, Gladson avança com o processo de privatização do Departamento de Pavimentação e Saneamento do Acre (DEPASA), que nos dias de hoje a conta está chegando com o preço que o acreano está conseguindo pagar, mas após a privatização deverá mudar drasticamente.

O modo proposto para a venda do DEPASA é “concessão comum de água e esgoto realizada pelo Estado para as áreas urbanas dos 22 municípios”, venda sumária da autarquia com projeção de abastecer com água potável 98% do Estado em cinco anos e garantir esgotamento sanitário a 95% da população em 12 anos.

Mas essa intenção de melhorar o abastecimento de água potável em 98% do Estado em cinco anos e garantir esgotamento sanitário em 95% para a população em 12 anos não vai ser grátis, a empresa que busca adquirir a autarquia, investirá e terá como retorno através da fatura do consumidor, no caso, o trabalhador.