O Governo que não usa os meios de comunicação como ferramenta positiva, acaba atraindo a rejeição da sociedade e um governo sem popularidade é governo sem rumo, assim está administração Gladson Cameli (Progressista) e Major Rocha (PSDB).

Depois iniciar de maneira atropelada e barbeira as discussões acerca da Reforma da Previdência estadual do servidor público, o governo ganhou ainda mais a antipatia dos milhares de trabalhadores da rede pública. Tanto pelas propostas mais duras na vida funcional, quanto pela histórica sessão do último dia 26, quando mais de 200 policias cercaram a sede do parlamento acreano e impediram que servidores subissem para acompanhar a sessão que aprovou o projeto.

Com 17 votos favoráveis e apenas 6 contrários a matéria, o governo garantiu as novas regras na previdência estadual, mas atraiu a fúria dos trabalhadores, que não aceitam tais alterações sem mais debates e participação nas decisões.

O que chama atenção é que ao invés de sua equipe de comunicação traçar uma estratégia de dar publicidade positiva e mostrar os pontos favoráveis da Reforma, permitem uma ação desordenada de ataques aos sindicalistas e parlamentares que votaram contrário ao projeto.

Rosana Nascimento que preside o maior sindicato o da educação vem sendo um dos alvos mais atacados pela militância de aliados do governo. Alguns assessores parlamentares da base e detentores de cargos comissionados ficam em grupos de whatsapp e no facebook fazendo os mais diversos ataques. São memes, montagens e Faknews das mais diversas formas que circulam rapidamente, uma ação covarde e que só demonstra a falta de uma política de comunicação no governo.

Adailton Cruz que preside o Sindicato da saúde, também vem sendo bombardeado e olhe que esta categoria, foi a que mais deu apoio ao governador Gladson Cameli e Major Rocha nas eleições de 2018.

Rosana Nascimento e Adailton, estão provando do veneno de seus ex-aliados de projeto político. Estes estiveram lado a lado na corrida eleitoral vencida por Cameli e agora são tratados como inimigos.

Os deputados de oposição que votaram contra a matéria, também são alvos da militância digital do governo.

Os deputados estaduais Edvaldo Magalhães, Daniel Zen, Jenilson Leite, Calegário, Maria Antõnia e Jonas Lima, estão sendo colocados como vilões, sendo que estes foram os que disseram não ao projeto e se mantiveram ao lado dos trabalhadores.

O governo não cria estratégia de mídia e deixa sua militância sem alinhamento e municiada somente de fak news e ataques rasos, uma prova real do fracasso da comunicação que não comunicou nestes 11 meses de governo.

Quanto mais ataques, mas ira dos servidores , basta olhar nos comentários das postagens do próprio governador e de qualquer outro parlamentar que tente justificar seu voto favorável a Reforma.