Porém, nem tudo são flores. Um tiozinho de uns 50 anos, que caminha pelas ruas rumo ao seu trabalho sabe que nunca mais sua vida será a mesma. Os planos de se aposentar daqui cinco anos, cuidar da saúde, comprar uma colônia e curtir seus netos já não serão mais possíveis.

Pela manhã enquanto assistia o Washington Aquino e saboreava sua xícara de café com um pãozinho seco, sabe como é, né, no fim de mês não tem nem margarina, ele viu que o governador Gladson Cameli (PP), seu vice Major Rocha (PSDB) e 17 deputados aprovaram uma Reforma da Previdência que lhe obriga a trabalhar até os 65 anos.

Ainda atônito com a notícia, ele não entendeu bem o que aconteceu. Viu muitos trabalhadores em frente da Assembleia Legislativa, centenas de policiais e o governador falando de um rombo na previdência. Mas, ninguém dizia como esse rombo tinha acontecido, pois ninguém explicou nada, ninguém perguntou o que ele achava, apenas soube que votaram e que ele deveria mudar seus planos. Lembrou que nunca deixou de pagar um centavo de seus impostos e lamentou ter que cobrir o furo com mais alguns anos de serviço.

A idade ainda não era tão avançada, mas já imaginava que a pressão alta, diabetes e uma dor nas costas insuportável, que lhe afligiam desde os quarenta, teriam que ser suportadas por pelo menos mais dez anos na secretaria que trabalha. Para o tiozinho, o pior sempre foi o abuso de quem assumia os postos de comando e achava ser dono dali. “Tomara que eu aguente”, falou em voz alta, enquanto lembrava-se dos seus netos e das tarefas que o novo diretor da secretaria havia dado.

Igual o tiozinho existem mais 43 mil servidores públicos estaduais, que tiveram suas vidas completamente modificadas pela Reforma Estadual da Previdência do governador Gladson Cameli, do seu vice Major Rocha e dos 17 deputados do; MDB, PP, PSD, PSB, PDT, SD, PHS, PRB, PTB, PODE, DEM, PR, PSDB e PSL.

O governador, seu vice Major Rocha e cada um dos 17 deputados acreditam fielmente na máxima que Maquiavel escreveu em seu célebre livro “O Príncipe”: quando for fazer o mal, que ele seja feito de forma rápida e no começo do governo, para que o povo com o tempo esqueça essa maldade. Ledo engano, o pacote de maldades está marcado de forma permanente na vida do povo acreano. E cada dia a mais de serviço será um bom motivo para nunca esquecer.

Autores da Reforma da Previdência Estadual (Pacote de Maldades)

Gladson Cmali – PP

Major Rocha – PSDB

Deputados que votaram a favor do Pacote da maldade:

Gerlen Diniz (PP)

Roberto Duarte (MDB)

Meire Serafim (MDB)

Antônia Sales (MDB)

Luiz Tchê (PDT)

Neném Almeida (SD)

Chico Viga (PHS)

José Bestene (PP)

Doutora Juliana (PRB)

Marcos Cavalcante (PTB)

Manoel Moraes (PSB)

Josa da Farmácia (PODE)

Antônio Pedro (DEM)

Wagner Felipe (PR)

Nicolau Junior (PP)

Cadmiel Bonfim (PSDB)

Wendy Lima (PSL)