O deputado estadual Jenilson Leite (PSB), vice-presidente da ALEAC, disse que o governador Gladson Cameli (Progressistas) usou praticamente todo o policiamento da capital para enfrentar os servidores, no dia que a base aliada do governo na Assembleia vota a retirada dos direitos dos trabalhadores, através do projeto de lei da reforma da previdência estadual.

“A Polícia Militar, a pedido da presidência da Casa e do governo, impediram que os manifestantes entrassem na ALEAC para acompanhar a votação do projeto que faz alterações na aposentadoria do servidor estadual. Isso é um absurdo, esta Casa é do povo. Nós estamos aqui apenas na condição de representante dos acreanos e não como ditadores”.

Ainda segundo o deputado, “enquanto o governo usa a polícia para impedir o acesso de manifestantes ao parlamento, no interior, o crime organizado toma contas das cidades proibindo as pessoas até de saírem às ruas, como foi o caso de Tarauacá, na noite de segunda-feira (24)”.

Para Jenilson Leite, este dia 26, entra para a história como a data em que Gladson Cameli “usou praticamente todo o policiamento para poder enfrentar os trabalhadores na luta contra retirada de seus direitos. Ou seja, os nossos trabalhadores , que são os construtores desse Estado, tem os seus direitos retirados e o governo para fazer isso, colocou praticamente toda Polícia Militar na frente da ALEAC. Enquanto isso, a insegurança toma conta das nossas cidades. E, ele prometeu valorizar os servidores e hoje arranca seus direitos a custa do policiamento”, disse o oposicionista.