Enquanto a base do governo tenta acelerar a votação da Reforma da Previdência Estadual nesta terça-feira (26), trabalhadores são impedidos pela Polícia Militar (PM) de entrar na Assembléia Legislativa do Acre (Aleac), para acompanhar as discussões do projeto e apoiar os parlamentares que tentam obstruir a votação.

A proposta de Emenda à Constituição (PEC) modifica o sistema de previdência social e afeta de forma cruel os servidores públicos, que iniciaram há semanas um diálogo com a base do governo, mas sem alterações pertinentes, como frisou o deputado estadual Daniel Zen (PT/AC). “Após todas as tentativas de tornar menos ruim algo que é extremamente perverso com os servidores públicos, a proposta de Reforma da Previdência Estadual, cuja votação está agendada para hoje (26), pouco ou nada mudou de seu formato original, por exemplo, das minhas 5 propostas de emendas, que tentavam amenizar os efeitos maléficos da reforma, apenas uma foi acatada e, ainda assim, parcialmente”.

Desde que o projeto chegou à Aleac, no último dia 5 de novembro, sem consulta prévia e sem tempo hábil para o devido debate com as diferentes categorias de servidores públicos, os sindicatos fizeram manifestações e chegaram a ocupar a Assembleia Legislativa para impedir que a proposta fosse votada e aprovada.

O deputado defendeu que o povo possa ocupar o Parlamento. “São diversos trabalhadores que vieram para dialogar e fazer valer os seus direitos, e estão sendo impedidos de entrar na Casa do Povo. Exigimos que a população pudesse entrar na Assembleia Legislativa para acompanhar de perto a votação”.