O deputado estadual Jenilson Leite ( PSB), vice-presidente da ALEAC, em reunião que vem fazendo com servidores públicos em alguns municípios esteve em Vila Campinas Vila, no município de Plácido de Castro, disse que a votação da previdência estadual, prevista para terça-feira , dia 26, não pode ser realizada pois os debates não terminaram e há questões obscuras e que prejudicam os servidores da ativa. 

Para o oposicionista, é inviável a votação amanhã dia 26 de novembro, sem que haja concordância dos sindicatos, pois ainda não foi concluído o debate sobre a reforma. ” Mesmo sem haver clareza no que está sendo votado, o governo quer ir tratorando. Não existe sequer regra de transição, desse modo, as pessoas que estão na ativa, não tem clareza como ficará sua situação , por falta dessa regra. E como o governo quer votar?”.
, questiona o parlamentar.

Para Leite, não é justo o governo Gladson colocar em votação um projeto sem ter concluído as discussões. ” Temos ciências que a reforma é necessária, mas não é justo votar um projeto que traz impacto na vida do trabalhador, sem que tenha sido concluído esse debate”.

Ainda segundo o parlamentar, o governo apresentou um projeto final com aquilo que ele aceitou, e o que não foi aceito a respeito das reivindicaçãoes das categorias. Contudo, não houve tempo suficiente p de avaliar completamente esse projeto. ” Não podemos votar um projeto sem ter discutido os pontos dessa lei, haja vista que vai impactar na vida de quem trabalha para construir um Estado do Acre melhor . Não estamos de qualquer lei, estamos falando de um projeto que mexe nos recursos dos pais e mães de famílias”.