Em uma composição de executivos, o vice sempre sonha com aquelas viagens do titular para assim poder sentar na cadeira de comandante, na relação do governador e vice do Acre tem sido diferente.

Desde que assumiu o governo em primeiro de janeiro deste ano, Gladson já é o chefe do executivo com maior número de viagens para fora do estado e até do País até aqui.

O governador já até respondeu as críticas, confirmando ser amante de uma boa viagem, que tem a desculpa de ser para buscar recursos para o estado, mas quem não gosta de andar pelo mundo com tudo pago e ainda levar uma equipe?

O curioso de tudo isso é que logo que nosso governador faz check-in, o vice Major Rocha constrói outra agenda e se manda para outros destinos. Assim o estado fica com as discussões travadas e o fluxo tem prejuízo, haja vista que o presidente da ALEAC ou o presidente do Tribunal de Justiça quando assumem interinamente, jamais irão se propor a tomar decisão qualquer.

Tem gente que afirma que, o vice Major Rocha usa a estratégia de esperteza, pois não quer se envolver em temas polêmicos referente ao governo, o negócio dele é agenda positiva e deixa as crises para o Gladson se debruçar.

O certo é que desta vez estão viajando o governador Gladson Cameli, o vice Major Rocha e o presidente da ALEAC Nicolau Júnior. Restou ao sucessor da hierarquia administrativa, o Desembargador Francisco Djalama; que está como governador em exercício.

A semana foi decisiva para as discussões que giram entorno da Reforma da Previdência apresentada por Gladson, que tem previsão de ser votada na terça-feira (26).

Sindicalistas estão com um vácuo de detalhes e fechamento das discussões que poderiam ter sido amarradas esta semana, podem causar reboliço no seio do governo, que já estar pra lá de desgastado.