O momento político no Acre se resume às manifestações e resistência de servidores estaduais, que não concordam com o modelo de Reforma da Previdência apresentado pelo governo Gladson Cameli e Major Rocha.

O PL apresentado pelo governo, segue em discussão e não agrada nem pouco os mais de 30 mil servidores estaduais, que não querem perder direitos adquiridos e resistem ao formato de projeto apresentado pelo executivo, que tem votação marcada para dia 26, no plenário da Assembléia Legislativa.

O que chama atenção é o sumiço de Minoru Kimpara; um dos protagonistas da eleição de 2018 e provável candidato a prefeito de Rio Branco pelo PSDB, do vice Major Rocha.

O ex- Reitor da UFAC se notabilizou como um grande educador e defensor das políticas públicas e em um momento como este, seria natural que ele aparecesse nos manifestos, ou ao menos fizesse uma postagem nas redes sócias se posicionando acerca do projeto apresentando pelo governador Gladson Cameli e seu vice Major Rocha.

Semanas atrás, Minoru se filiou ao PSDB, partido dirigido pelos irmãos Mara e Werles Rocha, que apresentaram o professor universitário como futuro candidato da sigla rumo a prefeitura da capital.

Nossa redação fez questão de fazer esse lembrete aos leitores, pois o mínimo que se poderia esperar de uma figura do porte de Minoru, seria uma declaração pública referente a um assunto que mexerá com a vida funcional de tantos trabalhadores; inclusive a maioria da sua área a educação.

Talvez por agora ser aliado do Palácio Rio Branco, o professor decidiu fazer como o seu líder político Major Rocha Rocha, silenciar e deixar o desgaste nas mãos do governador Gladson Cameli.