Uma grande operação realizada por homens do 10º Batalhão da Polícia Militar do Acre, localizado na fronteira do Acre, conseguiu tirar de circulação quatro maiores e um menor, acusados de estarem envolvidos em vários crimes que vinham acontecendo nas cidades da fronteira.

Segundo a Major Ana Kássia, comandante do 10º Batalhão, “…Estamos trabalhando para tirar de circulação, essas pessoas que estão realizando roubos e furtos na fronteira. Por isso resolvemos realizar essa operação entre Brasiléia e Epitaciolândia e como resultado, apreendemos cinco armas e seis pessoas, incluindo um menor (…), neste período de final de ano, existe uma tendência de aumentar os crimes e pedimos para que as pessoas nos ajudem denunciando e dessa forma, aumenta a integração entre a comunidade que vai ajudar no combate ao crime”, disse a oficial destacando o trabalho de sua equipe que se empenharam na operação.

O que destacou como resultado, foi o poder de fogo encontrado entre os envolvidos. Foram apreendidas armas de fabricação caseira com capacidade de efetuar um disparo de um projétil calibre 22; duas canetas de fabricação estrangeira com o mesmo calibre, munição, uma pistola de fabricação argentina calibre 44 milímetros, uma escopeta também calibre 22 e arma branca (faca).

Também foram apreendidos, quase 600 gramas de maconha, além de algumas trouxinhas de cocaína. Segundo foi apurado, parte dos detidos, teriam envolvimentos com assaltos, roubos, tráfico, porte de armas e ligação com grupos criminosos, além de alguns terem pendencias com a Justiça do Acre e ainda estar de tornozeleira eletrônica por cerca de três anos, praticando crimes.

Os detidos são: Rikelmy Gadelha Rodrigues (19), Kenderson Souza Araújo (20), Kenedy Martins da Silva (21), Ezequias Vieira da Silva (21), Raino de Souza Neves (19) e um menor de 17 anos.

Foi informado que alguns dos detidos, teriam tido participação no assalto à fábrica de alumínio localizada na cidade de Cobija, que aconteceu no mês passado. Com essa operação que envolveu homens do serviço de inteligência da PM, Giro e demais, se acredita que foi dado uma resposta às comunidades da fronteira.

Todos foram entregues na delegacia de Brasiléia, onde seriam ouvidos pelo delegado Sérgio Lopes, além das armas, munições e drogas apreendidas, para depois serem encaminhados ao judiciário para as medidas cabíveis pertinentes ao caso.

Por Alexandre Lima  / oaltoacre